Papel especial é utilizado no diagnóstico de exames

SÃO PAULO, 23 de abril de 2010 - Os pesquisadores do Instituto de Química da USP de São Carlos (a 230 km de São Paulo) utilizam o papel como nova base para realização de exames laboratoriais. Uma foto via celular também é integrada a esse trabalho como forma de transmissão de dados diretamente de ambientes remotos. A pesquisa tem por objetivo reduzir os custos de exames laboratoriais, permitindo que eles sejam realizados em regiões distantes, como a Amazônia ou o sertão nordestino.

Os trabalhos no País são encabeçados pelo professor Emanuel Carrilho, que integra grupo de pesquisadores que busca novas soluções tecnológicas. Este projeto se insere numa linha de pesquisa do professor George Whitesides, da Universidade Harvard (EUA) denominada Soluções Simples (Simple Solutions), adotada por Carrilho quando fazia estágio de pós-doutoramento de dois anos naquela instituição.

"A idéia é desenvolver um produto de baixo custo, que possa atender, por exemplo, ao Programa Saúde da Família", explica Carrilho. A pesquisa trabalha com o papel, que recebe sulcos especiais com determinados reagentes. Para o diagnóstico, o profissional deve aplicar sangue ou outro fluido biológico nesse papel e, com os reagentes presentes, são indicados os níveis de glicose e proteínas, por exemplo, conforme a cor final do teste. Em seguida, envia-se esse resultado para um profissional habilitado em análise através de foto pelo aparelho celular, completando o ciclo de avaliação. O mesmo procedimento pode ser aplicado em outras situações e tem princípios semelhantes aos dos testes de gravidez encontrados nas farmácias.

O trabalho está nos laboratórios da USP de São Carlos, mas ainda neste ano deve chegar experimentalmente ao Programa Saúde da Família em um programa-piloto no Nordeste. "Vamos levar isso para o meio do sertão", aposta Carrilho, ressaltando as qualidades do produto: "Essa tecnologia de fabricação permite uma simplicidade grande e um custo muito menor do que os ensaios disponíveis".

(Redação - Agência IN)