Kirchner pede ajuda do setor privado para melhor economia

SÃO PAULO, 23 de abril de 2010 - Em defesa do desenvolvimento econômico da Argentina, a presidente Cristina Kirchner, apelou hoje para que "lutas políticas e de vaidade pessoal sejam deixadas de lado e não ofusquem as qualidades do país". Cristina pediu o apoio dos setores privados para que atuem em parceria com o governo. Segundo ela, é necessário sustentar o mercado interno por meio de uma produção forte, sem abandonar as exportações.

De acordo com a presidente, o governo vai fortalecer a produção argentina e a indústria por meio da manutenção de um câmbio competitivo, investindo em infraestrutura com obras de redução de energia e combustível. "Aqui, é o símbolo da Argentina que queremos. Em paz, com trabalho duro e um olhar de projeção estratégica", afirmou. Para ela, é possível conciliar modelos antagônicos de desenvolvimento.

Cristina Kirchner ressaltou, ainda, a qualidade da produção nacional de milho e soja e da criação de bovinos. "Existe agora uma produção muito boa de milho e soja. Além disso, os preços dos bovinos atingiram níveis históricos. As coisas estão indo bem e deve ter mais articulação entre o setor público e privado para seguir mantendo o nível de investimento e agregar valor à nossa produção", disse.

Ela destacou que a Argentina é "o maior país produtor de leite". "Devemos apostar no que eu repito sem parar: agregar valor aos nossos produtos primários porque isso gera mais trabalho, mais atividade e exportações". O discurso de Cristina foi feito em uma cerimônia em que anunciou o repasse de 37 milhões de pesos em subsídios para a indústria de laticínios das regiões de Córdoba e Santa Fé. As informações são da Agência Brasil.

(Redação - Agência IN)