Câmbio segue atrelado ao exterior e pode ter novo dia volátil

SÃO PAULO, 23 de abril de 2010 - O câmbio doméstico segue ligado aos mercados internacionais, o que tende a trazer mais volatilidade aos negócios. Mas as notícias de novas captações podem limitar os movimentos. Instantes atrás, o dólar comercial caía 0,06%, a R$ 1,763 na venda.

Na véspera, o Banco do Brasil e o Banco Fibra anunciaram emissões no exterior, somando mais de US$ 1,4 bilhão. "Porém, as operações têm resultado em poucas entradas efetivas de recursos". Dados do Banco Central mostram que em abril, até o dia 19, o fluxo cambial está negativo em US$ 934 milhões.

Hoje, teremos uma nova rodada de divulgação de indicadores econômicos, com destaque para o PIB do primeiro trimestre de 2010 no Reino Unido e dados de encomendas de bens duráveis nos EUA. Em função do pessimismo dos investidores em relação à saúde dos países que compõem os PIIGS, ainda poderá ocorrer mais um pregão de volatilidade nas bolsas de valores.

Os investidores também começaram o dia reagindo aos bons indicadores econômicos divulgados na Europa. Logo cedo, o governo da Grécia pediu ajuda financeira para a União Européia. Algumas bolsas chegaram a operam em baixa, mas o pedido foi avaliado como positiva e o mercado acionário segue se recuperando. Um dos comentários feitos pela Grécia é de que os mercados ameaçam a economia do país, avaliação correta, uma vez que investidores acentuam suas expectativas, trazendo mais dificuldades ao país, principalmente de se capitalizar. Resta aguardar o "ok" final da União Européia, que já havia aprovado uma quantia caso o país precisasse.

(Simone e Silva Bernardino - Agência IN)