Dados dos EUA trazem fôlego e Ibovespa fecha em alta

SÃO PAULO, 22 de abril de 2010 - Após registrar queda acentuada ao longo da sessão, puxado pelas preocupações em relação à saúde financeira da Grécia, o principal índice acionário da BM&FBovespa inverteu tendência no final da tarde, repercutindo bons indicadores vindos dos Estados Unidos. Ao final da sessão, o Ibovespa subiu de 0,10%, aos 69.386 pontos. O giro financeiro da bolsa ficou em R$ 6,476 bilhões.

"Durante a manhã prevaleceu a aversão ao risco, claramente por causa dos temores quanto ao déficit fiscal grego e de outros países. Entretanto, isso não é nenhuma novidade. E os investidores passaram a assimilar o dado bom sobre o setor imobiliário dos Estados Unidos, que mostra melhora do cenário internacional", disse Silvio Campos Neto, economista do Banco Schahin, acrescentando que a volatilidade deve permanecer por um bom período.

Nos Estados Unidos, hoje foi revelado que as vendas de casas usadas no país subiram 6,8% em março deste ano, ante o mês anterior. Esta é a nona alta consecutiva, influenciada pelos créditos fiscais e as baixas taxas de juro que continuam a impulsionar a demanda.

No mesmo sentido, os novos pedidos de auxílio-desemprego nos Estados Unidos (initial claims, em inglês) recuaram 24 mil na semana encerrada dia 17 de abril. O número de solicitações passou de 480 mil para 456 mil, já com ajustes sazonais.

O agentes também estiveram atentos à divulgação de balanços corporativos. A Pepsico anunciou hoje ter reportado lucro líquido atribuível à companhia de US$ 1,430 bilhão (US$ 0,89 por ação) no primeiro trimestre de 2010, ante US$ 1,135 bilhão (US$ 0,72 por ação) apontados no mesmo período do ano passado, alta de 26%.

Os ganhos do Starbucks atingiram US$ 217,3 milhões (US$ 0,28 por ação) no segundo trimestre fiscal de 2010, ante US$ 25 milhões (US$ 0,03 por ação) no mesmo período do ano anterior, disparando 769,2%.

E a Qualcomm obteve lucro líquido de US$ 774 milhões no segundo trimestre fiscal de 2010, revertendo prejuízo de US$ 289 milhões no mesmo período do ano passado.

No cenário nacional, as blue chips encerarram a sessão em sentido oposto, limitando os ganhos do Ibovespa. Vale (PNA) reportou alta de 0,56%, e Gerdau (PN) ganhou 2,02%. Já Petrobras (PN) teve baixa de 1,28%, assim como BMFbovespa (ON) perdeu 0,76% e Itaú Unibanco variou -0,91%.

Dentre os destaques do dia, os papéis (PNA) da Braskem tiveram alta de 2,97%, finalizando a sessão entre as maiores altas. Hoje a Moody's atribuiu rating em moeda estrangeira "Ba1" a aproximadamente US$ 750 milhões em notas seniores sem garantia de ativos reais com vencimento em 2020 a serem emitidas pela Braskem Finance e garantidas pela Braskem. A perspectiva do rating é estável. Por sua vez, a Fitch atribuiu rating "BB+" à proposta de emissão de notas da Braskem Finance.

(Carina Urbanin - Agência IN)