Ministro diz que Lula ficou satisfeito com leilão de Belo Monte

Sandro Lima, Portal Terra

BRASÍLIA - O ministro de Minas e Energia, Márcio Zimmerman, disse nesta terça-feira que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ficou "muito satisfeito" com o resultado do leilão para a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu (PA).

Segundo Zimmerman, o governo considerou o leilão bem-sucedido, porque houve "disputa e deságio", referindo-se à vitória do consórcio Norte Energia, que ganhou a licitação ao apresentar a menor tarifa de energia que será cobrada do consumidor: R$ 77,97 por megawatt-hora.

Para o ministro, o prazo de financiamento para a contrução da obra, 30 anos, é compatível com os padrões internacionais e de países de economia estável. "Hoje, no mundo, é 30 anos (de financiamento) ou mais. O Brasil não podia utilizar no passado, mas agora está utilizando", afirmou.

O ministro rebateu as críticas de que não houve competição e disse que a participação de empresas estatais foi limitada. O Consórcio Norte Energia, vencedor do leião, é formado pela Companhia Hidrelétrica do São Franciso (Chesf), com 49,98% de participação, juntamente com empresas privadas.

Zimmerman rebateu ainda os questionamentos ambientais em relação à obra. "Em Belo Monte foi executado o melhor licenciamento ambiental que já ocorreu no Brasil. Foi a usina em que mais se estudou aspecto ambiental", disse.

A usina hidrelétrica de Belo Monte será a terceira maior do mundo, deve entrar em operação em 2015 (1ª fase) e 2019 (2ª fase), e terá capacidade instalada de 11 mil MW, com garantia física de 4.571 MW médios - o suficiente para atender as necessidades de 26 milhões de habitantes.

Leilão

Ao todo, 15 empresas, divididas em dois consórcios, participaram do leilão. Para se inscreverem, os consórcios fizeram um depósito de 1% do valor da obra, equivalente a R$ 190 milhões. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) pode financiar até 80% do investimento total, estimado em R$ 19 bilhões. O consórcio encabeçado por Camargo Corrêa e Odebrecht desistiu do leilão no início de abril.

Com as reviravoltas, o consórcio formado pela Andrade Gutierrez Participações, Vale, Neoenergia e Companhia Brasileira de Alumínio (CBA, do grupo Votorantim), além de Furnas Centrais Elétricas e Eletrosul Centrais Elétricas, ambas subsidiárias da Eletrobras, era considerado favorito. No entanto, o grupo que chegou por último ofereceu o melhor preço por megawatt-hora.

O Consórcio Norte Energia é formado pela Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf), com 49,98% de participação; Construtora Queiroz Galvão (com 10,02%); Galvão Engenharia (3,75%), Mendes Junior Trading Engenharia (3,75%), J. Malucelli Construtora de Obras (9,98%), Contern Construções e Comércio (3,75%), Cetenco Engenharia (5%), Serveng-Civilsan (3,75%) e Gaia Energia e Participações (com 10,02%). Tanto a Contern quanto a Gaia Energia fazem parte do Grupo Bertin.

A usina hidrelétrica na bacia do rio Xingu deverá ser a terceira maior do mundo, atrás da binacional Itaipu e da chinesa Três Gargantas. O empreendimento deve entrar em operação em 2015 (1ª fase) e 2019 (2ª fase), e terá capacidade instalada de 11 mil MW, com garantia física de 4.571 MW médios - o suficiente para atender as necessidades de 26 milhões de habitantes.