IGP-M desacelera para 0,50% na 2ª medição de abril

SÃO PAULO, 20 de abril de 2010 - O Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) registrou variação de 0,50% na segunda medição de abril, segundo informou há pouco a Fundação Getúlio Vargas (FGV). Um mês antes, o indicador ficou em 0,91%. O segundo decêndio do IGP‐M compreende o intervalo entre os dias 21 do mês anterior e 10 do mês de referência.

Dentre os componentes do indicador, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), variou 0,38%, ante 1,10% na segunda medição de março. O índice relativo aos Bens Finais registrou recuo de 0,91% em março, para 0,57% neste mês. Este movimento foi atribuído ao subgrupo alimentos in natura, cuja taxa passou de 11,01% para 6,34%.

Para Bens Intermediários, a variação ficou em 0,72%, inferior ao registrado em março (0,97%). A maior contribuição para a desaceleração partiu do subgrupo suprimentos, cuja taxa passou de 2,21% para ‐0,32%.

Para Matérias-Primas Brutas houve variação de -0,44% na segunda apuração deste mês. No mesmo período do mês anterior, o índice registrou variação de 1,61%. Os itens que mais contribuíram para a trajetória de desaceleração do grupo foram: laranja (de 28,39% para -15,81%) e cana-de-açúcar (de 2,70% para -1,22%). Com taxas em sentido ascendente, destacaram-se: leite in natura (de 5,58% para 9,54%) e algodão (em caroço) (de -1,26% para 10,68%).

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) variou 0,50%, ante 0,64% um mês antes. De acordo com a pesquisa, 3 das 7 classes de despesas monitoradas decresceram: Transportes (de 0,66% para -0,64%), Despesas Diversas (de 0,15% para -0,06%) e Habitação (0,27% para 0,24%).

Em sentido oposto, avançaram: Vestuário (de -0,43% para -0,06%), Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,32% para 0,45%) e Alimentação (de 1,55% para 1,57%), Educação, Leitura e Recreação (de 0,12% para 0,13%).

Por fim, o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) registrou, no segundo decêndio de abril, variação de 1,25%, acima do resultado do mês anterior, de 0,37%. O índice de Materiais, Equipamentos e Serviços acelerou, ao passar de 0,45%, para 0,75%. A taxa de variação do custo da Mão de Obra subiu de 0,28% em março para 1,80% em abril.

(CSU - Agência IN)