Ibovespa recupera perdas com bons resultados corporativos

SÃO PAULO, 20 de abril de 2010 - Os bons resultados corporativos trimestrais animam os investidores nesta terça-feira e colaboram para manter o Ibovespa em terreno positivo, influenciado também pela alta nos mercados acionários externos. Diante da conjuntura mais otimista, o Ibovespa opera com valorização de 0,72%, aos 69.596 pontos. O giro total da bolsa ficou em R$ 2,4 bilhões.

Sem indicadores de peso, os agentes financeiros focam as atenções nos resultados trimestrais das companhias dos mais distintos setores. A maioria registrou ganhos no período, o que tem suscitado expectativa de que a economia global (em especial dos Estados Unidos) esteja se recuperando.

"Revertendo a tendência de ontem, quando o Ibovespa operou levando em conta a realização de lucros e a conjuntura política [crise aérea na Europa e Goldman Sachs nos EUA], a bolsa aqui é sustentada pela correção técnica e pela valorização das Blue Chips", afirma Daniel Malheiros, da Spinelli Corretora de Valores.

O Goldman Sachs foi a grande surpresa da manhã, reportando lucro acima das expectativas dos analistas. Apenas quatro dias após ter sido acusado de fraude pela Securities and Exchange Comission (SEC), o banco norte-americano obteve lucro líquido de US$ 3,296 bilhões no primeiro trimestre de 2010, ante os US$ 1,659 bilhão do mesmo período do ano anterior, com avanço de 99%.

A Coca-Cola reportou avanço de 19% lucro atribuível aos acionistas de US$ 1,614 bilhão entre janeiro e março de 2010, assim como a Johnson & Johnson (alta de 29% e lucro líquido de US$ 4,5 bilhões) e a suíça Novartis (valorização de 49% e lucro líquido de US$ 2,9 bilhões), todos no 1º trimestre face o mesmo período do ano anterior.

Com o euro em alta - em decorrência das emissões gregas em títulos de três meses e dos bons indicadores de sentimento econômico da zona do euro - as empresas brasileiras ligadas às commodities veem seus papéis mais atraentes, já que o dólar pressionado movimenta os preços das commodities para cima.

As ações preferenciais da Petrobras subiam 1,76%, vendidas a R$ 34,14; as preferenciais da Vale cresciam 0,18%, cotada a R$ 50,32; as preferenciais da Usiminas avançavam 0,97%, cotada a R$ 59,14 e as ordinárias da OGX ganhavam 1,19%, vendidas a R$ 18,67.

(Sérgio Vieira - Agência IN)