Sem Petrobras, superávit primário deve cair 3,3% do PIB

SÃO PAULO, 8 de abril de 2010 - A saída da Petrobras das contas públicas em 2010 não alivia a carga do governo central. Desta forma, o superávit primário do setor público deve cair para 3,30% do Produto Interno Bruto (PIB), de acordo com as projeções da consultoria Lafis. Para 2011 e 2012, projeta-se um crescimento da economia brasileira de 5,3% e 4,5%, respectivamente. Respondendo a esse cenário, a consultoria, projeta um superávit primário de 3,52%, para 2011 e 3,45%, para 2012.

Segundo relatório de análises macroeconômicas, o PIB deve voltar a crescer este ano em um patamar de 5,2%. O crescimento da economia brasileira deverá ocorrer respondendo à aceleração do investimento público - dado o ano eleitoral -, aumento do consumo interno e à concessão de créditos.

A Indústria, dentre os setores que compõem o PIB a preços básicos, apresenta tendência de revitalização para próximos anos. Em 2010, diferentemente do que ocorreu em 2009, os estoques se encontram em níveis baixos devido ao retrocesso vivenciado pela indústria de transformação no ano anterior. Assim, a expectativa é de um aumento do PIB industrial de 7,4% com relação a 2009, influenciado pela necessidade de atender a demanda interna e de repor estoques.

Já o setor de Serviços terá seu crescimento (4,8%) pautado na elevação do comércio (6,4%) e dos serviços prestados em intermediação financeira (9,9%). Esses resultados estarão fundamentados no bom desempenho esperado do rendimento médio e da massa salarial para o ano.

Para a agropecuária, após queda em 2009, espera-se uma retomada do crescimento próximo ao observado em 2008 (5,73%), devido ao resgate da área plantada e pela tendência à estabilidade no preço das commodities agrícolas. Para a Lafis, as perspectivas para 2010 em relação ao segmento agropecuário são favoráveis, uma vez que serão influenciadas pela melhora do consumo interno e externo, no qual estão apoiadas no crescimento das principais economias importadoras de commodities agrícolas brasileiras. Com isso, para este ano, a Lafis projeta um crescimento de aproximadamente 5,7%. Além disso, a Lafis espera que os produtores retomem seu poder de compra através do acesso às linhas de crédito e redução de dívidas, além de obterem melhores preços no mercado interno e externo.

O setor exportador, por sua vez, deverá encontrar oportunidades derivadas da retomada do crescimento econômico mundial, o que tenderá a ampliar os fluxos de comércio internacionais.

A expectativa para 2010, segundo a Lafis, é de manutenção da expansão econômica nacional, com avanço de 5,3%. Espera-se que esse crescimento seja impulsionado pela aceleração no aumento do rendimento médio e da massa salarial, que favorece a expansão do setor de serviços (o de maior peso na economia), através da ampliação do consumo das famílias. Por outro lado, o crescimento será arrefecido pelo desempenho menos acentuado do PIB industrial e pela estabilidade do PIB agropecuário.

Ao longo do ano referido, os investimentos em infraestrutura deverão ser priorizados pela administração pública devido à proximidade de eventos internacionais (Copa do Mundo e Olimpíadas) que demandam amplos investimentos no setor.

(Redação - Agência IN)