Dados do varejo e Grécia deixam bolsas sem direção

SÃO PAULO, 8 de abril de 2010 - Após uma manhã pessimista com indicador negativo dos Estados Unidos e preocupação com a saúde fiscal da Grécia, o otimismo voltou com a divulgação de dado do setor de varejo norte-americano. Diante disso, as principais bolsas mundiais encerraram em direções opostas nesta quinta-feira.

Depois de operar com volatilidade, Wall Street conseguiu finalizar em alta. Apesar dos novos pedidos de auxílio-desemprego nos Estados Unidos terem avançado 18 mil na semana passada, e pesar no desempenho das bolsas norte-americanas, os investidores ficaram otimistas após a divulgação dos dados do varejo. A forte alta de 9,1% nas vendas das varejistas em março deste ano, levou ânimo aos agentes. Com isso, ao final dos negócios, em Nova York, o índice Dow Jones Industrial Average avançou 0,33%, aos 10.933 pontos. O S&P 500 ganhou 0,35%, aos 1.186 pontos. E na bolsa eletrônica, o índice composto Nasdaq teve acréscimo de 0,25%, aos 2.437 pontos.

No sentido oposto, os índices europeus terminaram no vermelho. A desconfiança do mercado com a situação da Grécia e indicadores negativos pesaram nos principais ínidices acionários da Europa. Ao final dos negócios, o índice FTSE-100, de Londres, recuou 0,86%, aos 5.712 pontos, o DAX, de Frankfurt, caiu 0,81%, aos 6.171 pontos e o CAC-40, de Paris, perdeu 1,20%, aos 3.978 pontos.

Na Argentina, o índice Merval, da bolsa de valores de Buenos Aires fechou com valorização de 0,70%, aos 2.470 pontos.

Por aqui, o Ibovespa surpreendeu os analistas e fechou com avanço de 1,40%, aos 71.784 pontos, após um tempo sem ganhos significativos, o setor financeiro elevou o índice, sustentado pelas blue chip Vale e Gerdau. O giro financeiro da bolsa ficou em R$ 6,78 bilhões.

Na renda fixa, as projeções de juros embutidas nos Certificados de Depósito Interfinanceiro (CDI) fecharam com avanço. O DI com vencimento em janeiro de 2011, apontou taxa anual de 10,46%.

No câmbio, a moeda norte-americana fechou com acréscimo de 0,06%, vendida a R$ 1,77.

E nas commodities, o preço do barril do petróleo terminou em baixa no mercado internacional, pressionado pelos dados de emprego nos Estados Unidos. O preço do barril do tipo WTI, com vencimento em maio, fechou com retraçao de 0,6%, cotado a US$ 85,40 na Bolsa de Mercadorias de Nova York (NYMEX, sigla em inglês). E o barril do tipo Brent, também com vencimento em maio, teve queda de 0,7%, para US$ 84,98 no ICE Exchange de Londres.

(Redação - Agência IN)