Cautela com Grécia volta a impor pressão sobre câmbio

SÃO PAULO, 8 de abril de 2010 - O dólar volta a ganhar força nesta manhã, com investidores reagindo com cautela às informações vindas da Grécia. Instantes atrás, a moeda norte-americana subia 0,56%, a R$ 1,785 na compra e R$ 1,787 na venda. O país voltou a preocupar os mercados, que tem elevado as especulações de que os gregos possam não cumprir seus compromissos de dívida, uma vez que as taxas dos bônus soberanos de 10 anos e do CDS registram relevante alta, refletindo a maior aversão dos investidores ao país.

Segundo especialistas, o aumento dos custos de empréstimo pode forçar a Grécia a ter que pedir à zona do euro ou ao Fundo Monetário Internacional (FMI) para honrar seu compromissos. Além disso, a Grécia deve elevar suas projeções de déficit orçamentário para 12,9% do PIB em 2009, frente à expectativa anterior de 12,7%. A revisão ocorre após o declínio de 2% no nível de produto do ano passado, acima das estimativas consensuais de queda de 1,2%.

Do lado monetário, o Banco da Inglaterra manteve sua política, deixando os juros estáveis em 0,50%. No mesmo sentido, o Banco Central Europeu (BCE) também manteve a taxa inalterada em 1%. Por lá, destaque para a entrevista de Jean-Claude Tricht, presidente da instituição, tratando além da política monetárias, dos problemas da Grécia.

Na zona do euro as vendas do setor varejista caíram -1,1%, acima do previsto e na Alemanha a produção industrial ficou estável ante alta estimada de 1,0%. Nos EUA os futuros sinalizam abertura negativa das bolsas, atento às notícias vindas da Europa sobre juros e sobre as condições de financiamento na Grécia.

"Os mercado também seguem atento às possíveis medidas que a China possa adotar para valorizar sua moeda e eventuais ajustes nos juros para conter a alta da inflação no país", comenta um profissional.

(Simone e Silva Bernardino - Agência IN)