China e preocupação com a Grécia derrubam bolsas europeias

SÃO PAULO, 7 de abril de 2010 - A possível mudança na política monetária chinesa e a preocupação com a situação econômica da Grécia fizeram com que os principais índices acionários europeus fechassem a quarta-feira em baixa.

Ao final do pregão, o índice FTSE-100, de Londres, perdeu 0,32%, aos 5.762 pontos, o DAX, de Frankfurt, recuou 0,48%, aos 6.222 pontos e o CAC-40, de Paris, caiu 0,67%, aos 4.026 pontos.

Para Álvaro Bandeira, diretor da Ágora Corretora, a possibilidade da China promover ajustes em sua economia não é novidade para o mercado. "Não são informações novas, mas a expectativa pela flexibilização cambial afeta os mercados de maior risco, aumentando a realização de lucros. O governo chinês tomaria estas medidas para tentar segurar as pressões inflacionárias", explicou.

Amanhã, o secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Timothy Geithner, terá reunião com o primeiro-ministro chinês Wen Jiabao, o que, na visão de Bandeira, alimentou especulações sobre as mudanças na economia chinesa.

Por outro lado, alguns indicadores econômicos do velho continente vieram acima do esperado pelo mercado. O índice gerente de compras (PMI, sigla em inglês) dos 16 países que compõem a zona do euro avançou para 55,9 pontos em março deste ano, ante leitura de 53,7 pontos em fevereiro.

Já o índice gerente de compras (PMI, sigla em inglês) da atividade comercial do setor de serviços nos 16 países que compõem a zona do euro avançou para 54,1 pontos em março deste ano, ante leitura de 51,8 pontos em fevereiro.

Por fim, o Produto Interno Bruto (PIB) dos 27 países que compõem a União Europeia ficou praticamente estável, ao registrar acréscimo de 0,1% no último trimestre de 2009, na comparação com o trimestre anterior.

(Humberto Domiciano - Agência IN)