Argentinos debatem exploração de petróleo nas Malvinas

SÃO PAULO, 7 de abril de 2010 - A partir de amanhã começa uma nova etapa na disputa entre Argentina e Inglaterra pelo controle das Ilhas Malvinas. O Comitê de Energia e Combustíveis da Câmara dos Deputados da Argentina marcou para quinta-feira o debate sobre o projeto de lei que define limites à prospecção e exploração de hidrocarbonetos na região, na Ilhas Geórgias do Sul e Sandwich.

Em meados de fevereiro, a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, resolveu reagir à decisão de empresas inglesas de explorar petróleo na região das Ilhas Malvinas. Por sua determinação, as embarcações estrangeiras que quiserem transitar em águas argentinas só poderão fazê-lo mediante autorização oficial. A medida dificulta o abastecimento das empresas inglesas e dos moradores do arquipélago.

Os deputados debatem, a partir de amanhã, o projeto de lei que proíbe que argentinos ou estrangeiros de empresas comerciais envolvidas na prospecção e exploração de hidrocarbonetos de manterem atividades na plataforma continental das ilhas. No artigo primeiro, o projeto ressalta a obrigação das empresas comerciais de terem a autorização para operar "de qualquer forma, com as empresas que desenvolvem ou desenvolveram atividades de petróleo e gás na plataforma continental".

Além disso, a lei determina que o Poder Executivo deve se abster "de recrutamento de entidades comerciais, acionistas e fornecedores para manter um relacionamento benéfico com as empresas que desenvolvem ou desenvolveram atividades de petróleo e gás na plataforma continental".

O governo inglês, que controla as Ilhas Malvinas desde o século 19, reagiu à medida. O caso provocou uma reunião de autoridades argentinas na Organização das Nações Unidas (ONU).

No último dia 29, a empresa British Petroleum fez as primeiras prospecções na região. Ao final das atividades, revelou que o material encontrado era de baixa qualidade e em pequena quantidade. As informações são da Agência Brasil.

(Redação - Agência IN)