Preço médio de apartamento em BH atinge R$ 193 mil em 2009

SÃO PAULO, 29 de março de 2010 - O valor médio dos apartamentos vendidos em Belo Horizonte, de janeiro a dezembro de 2009, foi de R$ 193.420,05, de acordo com pesquisa realizada pela Câmara do Mercado Imobiliário e Sindicato das Empresas do Mercado Imobiliário de Minas Gerais (CMI/Secovi-MG) e Instituto de Pesquisas Econômicas e Administrativas da UFMG (Ipead). O levantamento inda revela que o preço do principal tipo imobiliário é 20,82% maior que a média apurada em 2008: R$ 160.077,41.

Em dezembro do ano passado, o preço médio dos apartamentos chegou a R$ 216.989,46 na capital mineira. De acordo com o presidente da CMI/Secovi-MG, Ariano Cavalcanti de Paula, esse valor é 128,47% superior ao valor médio de apartamento em 2004, o que significa uma taxa efetiva ao mês de 1,39%.

Segundo o levantamento, o mercado imobiliário movimentou aproximadamente R$ 5,36 bilhões de janeiro a dezembro de 2009, com 30.144 imóveis comercializados. Apartamentos e casas (81,80% das vendas totais) geraram, no ano passado, negócios da ordem de R$ 4,38 bilhões, somando 22.868 imóveis e área transacionada de cerca de 7 milhões de metros quadrados.

De janeiro a dezembro de 2009, foram vendidos 18.463 apartamentos em Belo Horizonte, o que representou 66,62% do total de imóveis comercializados na cidade (30.144 unidades de apartamentos, casas, barracões, vagas residenciais e comerciais, salas, lojas, lotes vagos e galpões). Em segundo lugar no ranking de vendas ficaram as casas, com 4.405 negócios (15,18% do total).

Em dezembro, o número de apartamentos vendidos chegou a 1.717 unidades, número 38% maior que o registrado em dezembro do ano anterior (1.244 unidades). "O fim do ano de 2008 foi muito influenciado pela crise financeira mundial; os dados da pesquisa mostram que o mercado imobiliário superou esse período no segundo semestre do ano passado", destaca o presidente da CMI/Secovi-MG.

No acumulado dos 12 meses de 2009, o número de transações de apartamentos foi 4,9% menor em comparação ao mesmo período do ano anterior (de 19.415 para 18.463 unidades). Já o valor das transações passou de R$ 3,1 bilhões para R$ 3,57 bilhões (15,1% maior).

No somatório de imóveis residenciais e comerciais, houve queda de 8,3% no número de transações: 32.897 (janeiro a dezembro de 2008) e 30.144 (janeiro a dezembro de 2009). No entanto, a pesquisa registra aumento de 11,4% no valor das transações: de R$ 4,81 bilhões para R$ 5,36 bilhões.

(Redação - Agência IN)