Nível de emprego da construção civil surpreende em janeiro

SÃO PAULO, 29 de março de 2010 - O nível de emprego na construção civil brasileira em janeiro aumentou 2,55% em comparação a dezembro, o que equivale à contratação de mais 62.755 trabalhadores com carteira assinada. Com isso, chegou-se ao recorde de 2,519 milhões de trabalhadores -o mais alto da série histórica. Foi o que apurou a pesquisa mensal do SindusCon-SP Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (Sinduscon-SP) e da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Com isso, o setor recuperou-se plenamente da perda de 53.525 trabalhadores ocorrida em dezembro, mês em que, tradicionalmente, o emprego na construção declina.

O desempenho do emprego em 12 meses também se mantém em alta. Nesta comparação, o nível aumentou 11,57%, o que corresponde a mais 261.332 trabalhadores empregados. "Trata-se de um número impressionante que redobra a necessidade de incrementar a formação de mão de obra qualificada para trabalhar no setor", diz o presidente do SindusCon-SP, Sergio Watanabe.

No Estado de São Paulo, o nível de emprego na construção civil em janeiro aumentou 2,31%, com o acréscimo de 15.770 trabalhadores formais. Com isso, o número total de empregados das construtoras no Estado passou a 698.720 -também um recorde na série histórica. Em 12 meses, a elevação foi de 10,49% (+66.317 postos de trabalho).

No interior do Estado, o destaque em janeiro foi a região de Ribeirão Preto, que elevou em 5,03% o seu nível de emprego da construção (+1.914 trabalhadores). De fato, todas as regiões tiveram bons índices positivos, como em São José do Rio Preto, onde houve 3,77% mais contratações (729 empregados a mais), subindo para 10,88% o nível de empregabilidade em 12 meses.

(Redação - Agência IN)