Gás natural: Gasene encerra o aporte de R$ 40 bi

Carolina Eloy, Jornal do Brasil

ITABUNA, BAHIA - Com a inauguração do Gasene sexta-feira gasoduto de interação do Sudeste ao Nordeste a Petrobras fecha o primeiro clico de grandes investimentos em gás no país, afirma Graça Foster, diretora da área de Gás e Energia da companhia. De 2007 a 2010, foram investidos R$ 40 bilhões em infraestrutura gasífica e no Plano de Antecipação da Produção de Gás (Plangás). Ela espera que o incremento da demanda nos próximos cinco anos leve a estatal a pensar na expansão da malha.

O próximo clico é ampliar a malha de transporte de gás para o interior do país. O primeiro passo é crescer para o triângulo mineiro, onde já existe demanda, e, em seguida, para Brasília. Depois, o crescimento segue conforme a demanda cresça em outras regiões do interior.

Graça explicou que o contrato de compra de gás da Bolívia, que vai até 2020, é importante para o Brasil e deve ser renovado mantendo volume semelhante ao atual, de 30,08 milhões de metros cúbicos por dia. Ela disse que o campo de gás de Mexilhão, na Bacia de Santos (SP), deve estar disponível no último trimestre deste ano.

O custo do Gasene foi de R$ 7,2 bilhões, que chega a R$ 8,8 bilhões incluindo as estações de compressão de gás. Ao longo da malha do gasoduto foram instalados oito pontos de entrega (Itabuna, Eunápolis e Mucuri, na Bahia; Cachoeiro de Itapemirim, Anchieta, Viana e Vitória, no Espírito Santo; e Campos de Goytacazes, no Rio de Janeiro) e três estações de compressão (Piúma e Aracruz, no Espírito Santo, e Prado, na Bahia).

Os pontos de entrega permitem que o gás natural chegue a novos mercados e promova a interiorização do uso do produto. Os três primeiros clientes do gás transportado pelo Gasene no Sul da Bahia são as indústrias Trifil (têxtil) e Nestlé (alimentício) e o Posto Universal (GNV), todos em Itabuna.

O Gasene foi construído em parceria com a Sinopec, empresa petroleira chinesa. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva destacou a importância do projeto por ser a primeira grande parceria entre Brasil e China.

Em 2004, quando o governo decidia se esta parceria seria com Japão ou com a China, vimos que é muito importante ideologicamente para o país se aproximar e estreitar os laços com a China disse Lula.

O presidente destacou ainda que o Gasene concede ao Nordeste a mesma possibilidade de desenvolver-se que o Sul e o Sudeste tiveram ao longo dos anos.

O Nordeste agora tem energia limpa e mais barata do que o óleo diesel. O que possibilita maior desenvolvimento para as indústrias e para a população. A indústria vai poder produzir mais e tornar cada vez mais autossuficiente em outras fontes energéticas explicou Lula.

O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, ressaltou que, apesar de as tubulações não serem vistas pelas pessoas, por estarem debaixo da terra, a obra tem impacto extraordinário para a região e a ampliação para o interior depende da demanda e de projetos da Bahia Gás, que é a distribuidora de gás no estado. A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, comemorou ser possível abastecer imediatamente o país com gás, já que no início do projeto muitos não acreditaram nesta capacidade.