S&P eleva rating de CRIs lastreados a operações da Vivo

SÃO PAULO, 23 de março de 2010 - A Standard & Poor's elevou de "brAA" para "brAAA" os ratings atribuídos a três Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs). os quais dependem da qualidade de crédito da Vivo como devedora dos contratos de locação distintos que servem como lastro de cada uma das operações. Esta ação de rating ocorre após a elevação, em 19 de março de 2010, do rating de crédito corporativo na Escala Nacional Brasil atribuído à Vivo Participações S.A. (Vivo) de "brAA/Positiva/--" para "brAAA/Estável/--". Em 28 de fevereiro de 2010, o volume de CRIs afetados por esta ação de rating era equivalente à cerca de R$ 269 milhões.

De acordo com a agência de classificação de risco, os recursos captados por meio da emissão de cada um dos CRIs foram utilizados para o desenvolvimento de operações built-to-suitI, tendo a Vivo como devedora final de cada um dos contratos de locação. Portanto, segundo a Standard & Poor's , "o rating depende fortemente da qualidade de crédito da Vivo e da visão de que a empresa se manterá operante e atuante, mesmo em um cenário de estresse, e continuará assim honrando suas obrigações relativas aos contratos assinados".

A instituição ainda aponta que "a elevação dos ratings da Vivo reflete seus resultados consistentes, mesmo sob um ambiente econômico relativamente mais desafiador e intensa competição, o que evidencia sua disciplina financeira e a resiliência de seu fluxo de caixa. A Vivo conseguiu manter sua participação de mercado e margem Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) em torno de 30%, apesar do potencial aumento da competição em função da portabilidade numérica".

A forte geração de caixa nos últimos trimestres lhe possibilitou reduzir o endividamento em geral, levando a melhorias nas métricas de crédito. A empresa conseguiu amortizar R$ 1,85 bilhão de dívidas, que incluíam as notas promissórias (no valor de R$ 550 milhões) e as obrigações associadas à aquisição de licenças 3G (R$ 1,3 bilhão). Além disso, a empresa ainda manteve sólida liquidez (R$ 1,2 bilhão em dezembro de 2009).

Atualmente, a perspectiva do rating do rating da Vivo é estável, o que reflete a expectativa da Standard & Poor's de que a empresa continuará apresentando fortes métricas de crédito, amparadas por sua sólida geração de caixa e abordagem conservadora para investimentos e aquisições.

(Redação - Agência IN)