Medicamentos em SP tem variação de até 50%, diz associação

SÃO PAULO, 23 de março de 2010 - Pesquisa sobre preços de medicamentos realizada pela Proteste Associação de Consumidores constatou que seria desnecessário o governo autorizar até 4,5% de reajuste previsto para vigorar em abril.

Segundo o órgão, as farmácias já não praticam o preço máximo autorizado pelo governo por ser elevado. Foi constatada, em São Paulo, diferença de 50% entre o preço mínimo encontrado nas farmácias pesquisadas, e o máximo permitido no Estado.

Nas outras cinco capitais pesquisadas (Belo Horizonte, Brasília, Florianópolis, Porto Alegre, Rio de Janeiro) a diferença variou entre 22% e 23%.

(Redação - Agência IN)