Clima ameno nos mercados mundiais garantem queda do dólar

SÃO PAULO, 23 de março de 2010 - A instauração de um clima mais ameno entre os investidores e a divulgação de indicadores favoráveis na Europa e Estados Unidos alimentam os movimentos de recuperação dos mercados globais nesta terça-feira. No fim da manhã, o dólar cedeu 0,89% frente ao real, enquanto as principais bolsas de valores acumulavam ganhos.

No câmbio, além do quadro internacional, influencia os negócios a forte fluxo de recursos externos das captações de empresas brasileiras e de investidores em busca dos altos juros pagos em reais.

Na agenda européia, a confiança do empresariado francês registrou alta superior a esperada em março, impulsionada pela maior demanda das exportações de aviões e eletrônico. Além disso, o índice anual de preços ao consumidor no Reino Unido (IPC), medida usada para a meta de inflação oficial, subiu 3% em fevereiro - taxa menor que a verificada um mês antes, de 3,5%.

Segundo analistas, a expectativa de possível ajuda da União Européia à Grécia segue no radar dos investidores. A reunião começa na quinta-feira, em Bruxelas, o que pode trazer volatilidade aos negócios até lá.

Expressando confiança, o primeiro-ministro grego, George Papaconstantinou, disse que espera uma solução europeia de como lidar com a crise da dívida do país. Segundo ele poderá ser encontrado um mecanismo para garantir a estabilidade da zona do euro no encontro desta semana.

O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, em entrevista ao Financial Times também se mostrou confiante de que a Alemanha poderá fornecer ajuda financeira aos gregos se for necessário.

Na pauta norte-americana, os números também vieram melhores do que o previsto. A venda de casas usadas atingiram patamar anual de 5,02 milhões em fevereiro, superior às estimativas (5 milhões). Porém, o preço das hipotecas tiveram queda de 0,6% em janeiro.

(Simone e Silva Bernardino - Agência IN)