BC do Japão aponta expansão econômica a médio prazo

SÃO PAULO, 23 de março de 2010 - Devido à leve melhora na economia mundial, o comércio exterior tem garantido leve recuperação comercial dentro do território japonês, apontam os membros do Comitê de Política Monetária do Banco Central do Japão (BoJ, na sigla em inglês). Segundo a instituição, "a alta nas exportações deverá continuar, refletindo a melhoria contínua das condições econômicas no exterior, embora o ritmo de aumento, muito provavelmente, irá tornar-se moderado gradualmente".

O investimento público foi nivelando nas últimas semanas, no entanto, continua suscetível a retrações. O consumo privado, notadamente o de bens duráveis, apresentou aquecimento principalmente devido a medidas políticas, apesar da severa taxa de desemprego e da grave situação da renda e consumo em todas as regiões japonesas.

Segundo o BoJ, há sinais de que o investimento em habitação diminuiu, mas já há movimento contrário, embora residual, dado o recente crescimento no número de novas construções.

Baseando-se no aumento das exportações, a instituição acredita que há tendência para que se aumente a produção, embora o ritmo de crescimento esperado seja considerado suave.

No entanto, o que preocupa a instituição no longo prazo são questões relacionadas à situação de emprego e renda, já que ambas são consideradas graves, com alta taxa de desemprego e baixa renda familiar. Considerando os efeitos defasados da evolução dos lucros das empresas e de sua produção, é provável que esta situação perdure no curto prazo, mas sofra uma inversão no médio-longo prazo, já que um aquecimento econômico é aguardado em decorrência das futuras conseqüências oriundas do aumento da produção industrial.

Com relação aos preços praticados, as commodities influenciaram no desempenho da economia nipônica, segundo a nota, já que elas apresentam ascensão desde o começo de 2009 (vale lembrar que o Japão não possui reservas minerais e importa praticamente todas as matérias primas de que necessita). Dessa maneira, de acordo com o banco central japonês, houve acréscimo na taxa trimestral do índice de preços das empresas nacionais de bens (CGPI, na sigla em inglês).

As informações são da ata do Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês) da reunião realizada nos dias 17 e 18 de fevereiro, quando os membros - de forma não-unânime - decidiram manter a taxa básica de juros em 0,1% ao ano.

(Sérgio Vieira - Agência IN)