Setor de embalagens deve crescer 8% em 2010, prevê Abief

SÃO PAULO, 22 de março de 2010 - O setor de embalagens flexíveis deve apresentar crescimento de cerca de 8% em 2010, depois de amargar um 2009 onde o seu nível histórico de crescimento (uma e meia a duas vezes a variação do PIB) não foi atingido, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Embalagens Plásticas Flexíveis (Abief). "A pesquisa mostra claramente que houve ruptura na evolução do faturamento de nossa indústria em 2009", analisa o Presidente da entidade, empresário Alfredo Schmitt.

De acordo com o perfil levantado pela pesquisadora Maxiquim, anualmente o setor registra evolução em faturamento. Em 2006 foram R$ 8,63 bilhões, em 2007 R$ 9,37 bilhões e em 2008 R$ 10,31 bilhões. Schmitt explica que embora os números de fechamento de 2009 não estejam totalmente consolidados, já se sabe que houve uma redução, tanto de faturamento quanto de tonelagem, ao redor dos 5,5% por conta da crise. "Por isso mesmo estamos tão otimistas em relação a 2010", completa.

Entre os mercados atendidos pela indústria brasileira de embalagens plásticas flexíveis, alimentos e varejo aparecem nos primeiros lugares, respectivamente com 31% e 22% de participação. Na seqüência vêm aplicações industriais (19%), bebidas (6%), higiene pessoal e cosméticos (4%), pet food (2%) e limpeza doméstica (2%); os 14% restantes estão pulverizados em outras categorias.

Para sustentar a retomada de negócios em 2010, a Abief planeja algumas ações estratégicas, entre elas a realização do 1° Fórum Latino-Americano de Embalagens Plásticas Flexíveis, agendado para o dia 10 de Junho no Auditório Oeste do Pavilhão de Exposições do Anhembi, em paralelo à Fispal Tecnologia 2010.

(Redação - Agência IN)