Preços recebidos pelo agronegócio paulista sobem 0,8%

SÃO PAULO, 22 de março de 2010 - O Índice Quadrissemanal de Preços Recebidos pela Agropecuária Paulista (IqPR) aumentou em 8% na segunda quadrissemana de março, segundo o Instituto de Economia Agrícola IEA/Apta da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. O dado foi puxado pelo índice de preços dos produtos de origem vegetal (10,54%), já que o índice de preços dos produtos de origem animal apresentou variação positiva de 1,70%.

Se a cana-de-açúcar é excluída do cálculo, o índice geral atinge 11,34%, enquanto o índice dos produtos vegetais chega a expressivos 20,52%. Apesar de o preço da cana continuar subindo, sua variação foi bem menor do que a dos de outros produtos vegetais, principalmente tomate, banana e as laranjas, dizem os pesquisadores Eder Pinatti, José Alberto ngelo, José Sidnei Gonçalves, Luis Henrique Perez e Danton Leonel de Camargo Bini.

As altas mais expressivas foram registradas nos preços do tomate (102,29%), da laranja para mesa (65,23%), da banana nanica (37,34%), da laranja para indústria (12,97%), dos ovos (11,21%) e do amendoim (10,54%). Já as quedas mais acentuadas foram observadas nos preços do arroz (5,98%), da soja (4,20%), do milho (3,84%), do trigo (3,33%) e da carne de frango (2,58%).

Segundo os pesquisadores, os preços agropecuários em alta em plena colheita da maior safra de grãos indicam impactos inflacionários futuros, os quais não podem ser amenizados pelo aperto monetário. Ao contrário, essa medida pode ter o efeito perverso de dificultar a verdadeira solução que consiste em buscar maior oferta, o que não será uma resposta de curtíssimo prazo.

(Redação - Agência IN)