IGP-M registra alta de 0,91% nos primeiros vinte dias de março

JB Online

DA REDAÇÃO - O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) registrou alta de 0,91%, no segundo decêndio do mês de março. No mês anterior, para o mesmo período de coleta, a alta foi de 1,10%, segundo informações da Fundação Getúlio Vargas. O segundo decêndio do IGP-M compreende o intervalo entre os dias 21 do mês anterior e 10 do mês de referência.

O Índice de Preços por Atacado (IPA) apresentou variação de 1,10%, no segundo decêndio de março. No mesmo período do mês anterior, a variação foi de 1,34%. A taxa de variação dos Bens Finais recuou de 1,92% para 0,91%. A maior contribuição para esta desaceleração teve origem no subgrupo alimentos processados, cuja taxa passou de 4,36% para 0,36%.

A taxa de variação do grupo Bens Intermediários passou de 1,44%, em fevereiro, para 0,97%, em março. O destaque coube ao subgrupo materiais e componentes para a manufatura, cuja taxa passou de 2,10% para 1,12%.

O índice referente a Matérias-Primas Brutas teve sua taxa de variação elevada de 0,28% para 1,61%. Os itens que mais contribuíram para este movimento foram: soja (em grão) (-11,72% para -3,90%), leite in natura (1,16% para 5,58%) e mandioca (aipim) (-3,31% para 7,36%). Em sentido oposto, destacam-se: arroz (em casca) (9,13% para -7,83%), minério de ferro (4,73% para -2,48%) e cana-de-açúcar (4,48% para 2,70%).

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) registrou variação de 0,64%, no segundo decêndio de março, ante 0,80%, no mesmo período do mês anterior. Cinco das sete classes de despesa componentes do índice apresentaram decréscimos em suas taxas de variação. A maior contribuição partiu do grupo Transportes (2,47% para 0,66%), por influência do item tarifa de ônibus urbano, cuja taxa passou de 4,52% para 0,93%.

Também registraram recuos em suas taxas de variação os grupos: Educação, Leitura e Recreação (0,97% para 0,12%), Vestuário (0,23% para -0,43%), Despesas Diversas (0,37% para 0,15%) e Habitação (0,29% para 0,27%). Os destaques em cada uma das classes de despesa foram: cursos formais (2,10% para 0,00%), roupas (-0,06% para -0,84%), alimento para animais domésticos (0,93% para -0,55%) e empregada doméstica mensalista (2,17% para 1,63%), respectivamente.

Em contrapartida, apresentaram acréscimos em suas taxas de variação os grupos: Alimentação (0,93% para 1,55%) e Saúde e Cuidados Pessoais (0,30% para 0,32%). Os itens que mais contribuíram para o avanço das taxas destes grupos foram: hortaliças e legumes (2,59% para 6,79%) e serviços de cuidados pessoais (0,53% para 0,62%), respectivamente.

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) apresentou, no segundo decêndio de março, taxa de 0,37%, ante 0,39%, no segundo decêndio do mês anterior. A taxa do índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços passou de 0,48%, em fevereiro, para 0,45%, em março. O índice que capta o custo da Mão de Obra registrou taxa de 0,28%, a mesma do mês anterior.