Argentina dá novo passo na negociação da dívida com EUA

SÃO PAULO, 22 de março de 2010 - A Argentina deu um passo chave para avançar na troca de uma dívida que se mantém em "default" desde 2001, de US$ 20 bilhões, depois de a oferta ter sido aprovada nos Estados Unidos. A proposta prevê a quitação de ao menos 65% do débito, informou nesta segunda-feira o ministro da Economia, Amado Boudou.

"Do ponto de vista fiscal, significa que a Argentina vai negociar quitação de 65% em média", confirmou Boudou, falando do balneário mexicano de Cancún, onde assiste a assembleia anual do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Boudou afirmou que a Securities and Exchange Comission (SEC), a autoridade reguladora dos mercados de capitais norte-americanos, aprovou a proposta argentina e completou que se trata do "último passo formal" antes de informar a oferta aos detentores de títulos da dívida em moratória.

O governo estimou recentemente que haveria adesão de ao menos 60% dos detentores de títulos ainda em moratória.

"É o último passo formal. Com a troca, trata-se de dar uma solução definitiva" ao calote, disse o funcionário.

A Argentina negociará uma quitação importante sobre o valor dos bônus da dívida ainda em moratória, que atinge US$ 20 bilhões, mas realizará uma oferta tentadora aos chamados "holdouts", ou detentores "rebeldes" dos títulos.

Em 2005, foi realizada a primeira operação de quitação, que obteve adesão de 76,15% sobre um total de US$ 70 bilhões, depois da moratória declarada em 2001 sobre os 90 US$ bilhões.

(Redação com agências internacionais - Agência IN)