Otimismo eleva principais bolsas mundiais

SÃO PAULO, 1 de março de 2010 - O otimismo volta à cena e as principais bolsas mundiais encerraram o dia em terreno positivo. Após notícias favoráveis na semana passada e indicadores dos Estados Unidos, as praças acionárias conseguiram manter o ritmo de ganhos.

Diante disso, as bolsas norte-americanas fecharam em alta. Hoje foi divulgado que a atividade industrial dos Estados Unidos registrou 56,5 pontos em fevereiro. O indicador ficou abaixo do apurado no mês anterior, mas continuou em expansão. Já a renda dos consumidores subiu pelo 6º mês consecutivo, com alta de 0,1%. Em Nova York, o índice Dow Jones Industrial Average teve valorização de 0,76%, aos 10.403 pontos. O S&P 500 cresceu 1,02%, aos 1.115 pontos. E na bolsa eletrônica, o índice composto Nasdaq ganhou 1,58%, para 2.273 ponto

No mesmo sentido, os índices acionários europeus terminaram no azul. A informação de que a Alemanha e a França chegaram a um acordo financeiro para ajudar a Grécia no valor de até US$ 41 bilhões, animou os agentes.

Além disso, o PMI da Alemanha alcançou 57,2 pontos em fevereiro. Este foi o maior índice desde junho de 2007. Com isso, ao final dos negócios, o índice FTSE-100, de Londres, subiu 0,96%, aos 5.405 pontos. O DAX, de Frankfurt, valorizou 2,06%, aos 5.713 pontos e o CAC-40, de Paris, fechou em alta de 1,19%, aos 3.753 pontos.

Na Argentina, o índice Merval da bolsa de valores de Buenos Aires fechou com valorização de 1,97%, aos 2.265 pontos.

Por aqui, após ensaiar alta nos últimos dias, o Ibovespa terminou com avanço de 1,09%, aos 67.227 pontos, influenciado por notícias positivas da semana passada. O giro financeiro da bolsa ficou em R$ 5,07 bilhões.

Na renda fixa, as projeções de juros embutidas nos certificados de Depósito Interfinanceiro (DI) fecharam em baixa. O DI com vencimento em janeiro de 2011, apontou taxa anual de 10,46%. No câmbio, a moeda norte-americana fechou em queda, vendida a R$ 1,79.

E nas commodities, o preço do barril do petróleo terminou com decréscimo no mercado internacional, refletindo a valorização do dólar frente ao euro, o que reduziu a demanda da commodity como investimento alternativo. O preço do barril de petróleo do tipo WTI, com vencimento em abril, desvalorizou 1,2%, cotado a US$ 78,69 na Bolsa de Mercadorias de Nova York (NYMEX, sigla em inglês). E o barril do tipo Brent, também com vencimento em abril, caiu 0,9%, negociado a US$ 76,86 no ICE Exchange de Londres.

(Redação - Agência IN)