Compras virtuais somam R$ 10,6 bi em 2009

Carolina Eloy, Jornal do Brasil

RIO - As vendas online somaram R$ 10,6 bilhões em 2009 no Brasil, um crescimento de 30% que deve ser repetido este ano, segundo a e-bit, empresa especializada em comércio eletrônico. Além do preço do produto, a facilidade de navegação e o tempo para finalizar a compra são determinantes para o consumidor, destaca Alexandre Umberti, diretor de Marketing, Produtos e Inteligência da e-bit.

É uma tendência crescente que as empresas simplifiquem as etapas de compra avalia Umberti.

O Submarino lançou em fevereiro uma ferramenta para que o cliente faça a compra em apenas um clique. Segundo a empresa, com o sistema, é possível definir um endereço de entrega, um cartão de crédito e cadastrá-los. Com o aplicativo, o consumidor pula as etapas de carrinho de compras, escolha de endereço e escolha de forma de pagamento, indo diretamente da página do produto para a confirmação de compra.

Maria Inês Dolci, coordenadora Institucional da Pro Teste, alerta que a facilidade do sistema pode levar o cliente a comprar produtos que não quer. Para ela, o sistema pode facilitar as vendas, mas que pode trazer muitos riscos para os consumidores.

O site precisa oferecer a mesma facilidade de comprar, para cancelar. E o cliente deve ficar sempre atento às indicações virtuais para não adquirir produtos que não deseja enfatiza Maria Inês.

O Procon recebeu 90 reclamações sobre problemas com compras virtuais em novembro e dezembro de 2009, enquanto nos mesmos meses de 2008, foram 36.