Disputa por Ptax pode acrescentar volatilidade ao dólar

SÃO PAULO, 26 de fevereiro de 2010 - A disputa para a formação da Ptax de fim de mês pode acrescentar volatilidade ao câmbio, principalmente na parte da manhã, quando o maior volume de negócios define, em grande medida, a taxa média do dia.

Segundo a corretora AGK, mesmo com essa movimentação atípica de final de mês, o dólar pode voltar a oscilar entre R$ 1,82 e R$ 1,83, ou até um pouco abaixo, se o maior apetite por risco com a conseqüente alta do euro ante o dólar e das commodities se mantiverem ao longo do dia. Lá fora, a alta dos preços das matérias-primas impulsiona os papéis de mineração e petrolíferas sustentando o clima mais tranquilo nos mercados. Há pouco, o dólar cedia 0,71%, vendido a R$ 1,819.

Mas o clima pode mudar ao longo do dia por conta da agenda. Destaques para a divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) norte-americano referente ao quarto trimestre, que deve se manter em 5,7%. Tem também os dados sobre os gerentes de compra de Chicago (expectativa de arrefecimento do índice em fevereiro, passando de 61,5 para 59,7 pontos), resultado final da confiança do consumidor da Universidade de Michigan (de 74,4 para 73,9 pontos) e dados sobre as vendas de casas existentes, com estimada de alta de 0,9% em janeiro. "A expectativa de manutenção na revisão da taxa observada no PIB também dão suporte à recuperação do mercado acionário nesta manhã", destaca um operador.

"Se os dados norte-americanos confirmarem as expectativas dos players, o viés positivo deste início de dia, por conta também do aumento de 2,5% da produção industrial japonesa em janeiro e do anúncio do ministro das Finanças da Índia da estratégia de retomar o crescimento de 9% ao ano, os investidores globais devem encerrar a semana com boas disposições para o risco", ressalta a AGK corretora.

(Simone e Silva Bernardino - Agência IN)