Comprados ditam rumo do dólar e moeda sobe

SÃO PAULO, 23 de fevereiro de 2010 - As renovadas preocupações com a situação da Grécia continuam a afetar o euro, favorecendo o dólar e inibindo o rali das commodities metálicas. Os receios do Japão, a menor confiança na Alemanha e indicadores nos Estados Unidos também dominam o foco dos investidores.

Atrelado ao mercado externo, o dólar comercial oscilou entre R$ 1,817 e R$ 1,823 ao longo da manhã, até fechar o período vendido a R$ 1,823 (0,77%). Nos EUA, pesquisa da S&P Case-Shiller mostrou que o preço dos imóveis caiu 0,2% em dezembro. E a confiança do consumidor em fevereiro veio abaixo do esperado por analistas.

Na Ásia, o Banco do Japão afirmou que o avanço das dívidas públicas no mundo elevou a necessidade de políticas para manter a confiança dos investidores. "Se tornou mais importante do que tudo a manutenção da confiança do mercado na conduta das políticas fiscal e monetária", apontou a instituição.

Na Europa, a confiança do empresariado alemão caiu inesperadamente em fevereiro, pela primeira vez em 11 meses, com as baixas temperaturas reduzindo as vendas no varejo e as atividades de construção civil. No entanto, o dado não deteriorou a perspectiva de que a recuperação econômica do país deve prosseguir. De acordo com o Instituto IFO, o índice de clima empresarial caiu para 95,2 neste mês, de 95,8 no mês passado. Economistas esperavam uma alta no dado para 96,1 pontos .

Internamente, os players analisam os dados das contas externas. Em janeiro, o País registrou déficit de US$ 3,841 nas transações correntes, ante saldo negativo de US$ 2,763 bilhões um mês antes. No período, os investimentos estrangeiros diretos, que vai para o setor produtivo da economia, ficou em US$ 789 milhões.

(Simone e Silva Bernardino - Agência IN)