Bolsas de valores encerram pregão sem direção única

SÃO PAULO, 22 de fevereiro de 2010 - Diante de uma agenda sem indicadores relevantes, as principais praças acionárias mundiais encerraram o pregão sem direção única. No entanto, dados econômicos dos Estados Unidos ajudaram a ditar o rumo das negociações.

Com isso, as bolsas norte americanas terminaram em queda. Os investidores receberam hoje que a atividade manufatureira do Texas teve retração no mês de fevereiro. O dado veio pior que o estimado pelo mercado e acentuou a desvalorização dos índices de Wall Street. Na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE, na sigla em inglês), o índice Dow Jones Industrial Average registrou queda de 0,18%, aos 10.383 pontos. O S&P 500 perdeu 0,10%, aos 1.108 pontos. Já na bolsa eletrônica, o índice composto Nasdaq desvalorizou 0,08%, para 2.242 pontos.

No mesmo sentido, as bolsas da Europa fecharam no vermelho. O clima de cautela proveniente dos Estados Unidos contagiou os negócios no velho continente. No final dos negócios, o FTSE-100, de Londres, recuou 0,11%, aos 5.352 pontos; o DAX, de Frankfurt, registrou contração de 0,59%, aos 5.688 pontos; e o CAC-40, de Paris, caiu 0,34%, aos 3.756 pontos.

Na argentina, o índice Merval, da bolsa de valores de Buenos Aires, finalizou a sessão desta segunda-feira em leve alta de 0,50%, aos 2.346 pontos.

Por aqui, atrelado ao desempenho externo, o Ibovespa caiu 0,61%, aos 67.184 pontos. O giro financeiro da bolsa totalizou R$ 5,68 bilhões. Os investidores agiram com cautela diante da agenda movimentada que é esperada para esta semana.

Na renda fixa, as projeções de juros futuros fecharam sem direção única, com os agentes repercutindo dados do boletim Focus. O Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2011, apontou taxa anual de 10,33%. No câmbio, após três pregões em queda, a moeda norte-americana encerrou em alta, vendida a R$ 1,80.

E nas commodities, o preço do barril do petróleo terminou com avanço no mercado internacional. Os investidores seguiram atentos aos desdobramentos da greve em seis refinarias da Total. O preço do barril de petróleo do tipo WTI, com vencimento em março, subiu 0,27%, cotado a US$ 80,03 na Bolsa de Mercadorias de Nova York (NYMEX, sigla em inglês). E o barril do tipo Brent, com vencimento em abril, valorizou 0,4%, negociado a US$ 78,52 no ICE Exchange de Londres.

(Redação - Agência IN)