Geração Y, de jovens da era da internet, ocupa 20% de cargos de chefia

Marta Nogueira, Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - A chamada geração Y, jovens com até 30 anos que cresceram na era da internet, está surpreendendo as previsões do mercado. Eles já ocupam quase 20% dos cargos de gestão em companhias de grande porte, segundo pesquisa do Hay Group, consultoria de gestão em negócios, que ouviu 5.568 representantes deste grupo. Conhecidos como jovens obcecados por sucesso financeiro, com elevado grau de autoconfiança, a geração mostrou que é mais fiel do que parecia. O estudo aponta que 63% pretendem ficar no atual emprego por mais de cinco anos.

Bruna Bergemann, com 27 anos, já é gerente do Grupo de Produtos Capilar da L'Oréal Paris. Ela está prestes a ir para a sede da empresa, em Paris, na França, para ocupar um cargo de gerência internacional.

Como trabalho com marketing, para mim é um sonho ir para a matriz, onde a criação e o desenvolvimento da marca acontecem afirmou.

Bruna se formou na Escola Superior de Propaganda e Marketing de São Paulo (ESPM). Na época, ela era estagiária da Colgate-Palmolive e foi promovida a analista. Dois anos depois, conquistou a Gerencia de Produtos da linha capilar Palmolive. Em 2007, fui chamada para trabalhar na L'Oréal, no Rio, onde sou responsável pela segunda marca de cabelo mais importante do país , conta.

De acordo com a consultora do Hay Group, Flavia Leão Fernandes, existe ainda um abismo entre os gestores mais velhos e os profissionais mais novos. Os jovens são observados com receio, porque são informais e querem sempre participar de grandes projetos.

Mas a pesquisa mostrou que eles respeitam muito os níveis hierárquicos contou Leão.

Quase três quartos dos entrevistados afirmam ter boa relação com a chefia e confiam no seu superior imediato, e 71% dizem que os valores da empresa estão alinhados com os seus valores pessoais.

Sede X experiência

As empresas estão procurando jovens para funções que exigem atenção às novidades do mundo inteiro. A gerente de recrutamento da L´Oréal, Renata Dourado, conta que a empresa valoriza a sede de crescimento dos mais novos e a experiência e maturidade dos mais antigos. Para ela, cada um tem o seu papel no processo.

Acho que as gerações aprendem umas com as outras explicou Renata, que confirmou o resultado da pesquisa. Temos 240 gestores no Brasil e 42 (18%) tem menos de 30 anos.

Na pesquisa, 93% da geração Y afirmaram que quanto mais a empresa investe em desenvolvimento profissional, mais querem ficar. Daniel Preto, com 24 anos, é gerente de Sustentabilidade da Souza Cruz, no Rio de Janeiro. Há dois anos, entrou na empresa por um processo seletivo para trainees.

Depois de escolhido, fui sendo avaliado até conseguir o cargo que tenho hoje contou Daniel, que se formou em administração em 2007, na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS). Ele confirma que sua companhia ofereceu caminhos de aprendizado que o atraíram e não teve dúvida em vir para o Rio para assumir o cargo de gerência.

Dilma Lima, especialista nesta nova geração de trabalhadores e sócia da consultoria Gestão Origami, afirma que as principais características destes jovens são a capacidade de se conectar a diferentes mídias e a facilidade de encarar os erros.

Os chamados nativos digitais cresceram se aventurando em meios eletrônicos e não costumam ler o manual de nenhum produto destaca Dilma. Estão acostumados a aprender errando e não têm medo de enfrentar algo que não conhecem.

Conectividade

Empresas brasileiras são as que mais restringem redes sociais no mundo. Uma pesquisa realizada pela empresa de recursos humanos Manpower, que ouviu 34.000 empregadores de 35 países, mostrou que 55% das companhias do Brasil adotam políticas para controlar o uso de mídias sociais no trabalho. A média global é de 20%. Especialistas acreditam que o trabalho de jovens é prejudicado com estas limitações.

Dilma ressalta que muitos gestores acham que o acesso à internet não é produtivo, porque desvia a atenção do funcionário. Este controle é um desperdício de talento. A internet é um universo sem limites para o aprendizado destes jovens , afirma.

Daniel Preto, gerente de Sustentabilidade da Souza Cruz, usa a internet o tempo todo para trabalhar. A área de sustentabilidade é muito dinâmica. Eu preciso saber as soluções que outras empresas no mundo inteiro estão encontrando , disse Daniel, que recorre a fóruns de grandes companhias e sites de entidades.

Bruna Bergemann, da L'Oréal Paris, considera a internet um universo para a pesquisa de aceitação da marca. Às vezes, encontro vídeos dos clientes falando sobre os produtos. Sites de discussões e vários outros meios de manifestação sobre o meu trabalho.

Como esta geração tem o costume de se relacionar o tempo todo, com um número crescente de amigos na internet, acabam desenvolvendo capacidade para trabalhar em grupo. Acho que 90% das minhas tarefas são realizadas em equipe. Gerir um projeto com muitas pessoas é a melhor coisa , disse Daniel.