Famílias paulistanas começam 2010 menos endividadas

SÃO PAULO, 22 de janeiro de 2010 - Os paulistanos começaram o ano menos endividados. Segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) da Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio), 44% das famílias estão endividadas em janeiro, queda de 4 pontos porcentuais frente a dezembro (48%).

Em números absolutos, o total de famílias endividadas caiu de 1,7 milhão em dezembro para 1,58 milhão de famílias em janeiro. Em relação ao mês de janeiro do ano passado, quando 45% de famílias estavam endividadas, os resultados deste mês indicam estabilidade.

"O endividamento menor é natural dado que neste período houve o pagamento de 13º salário. Espera-se que, nos próximos meses, sejam captados os efeitos das compras de Natal e do aperto orçamentário tradicional de início de ano: IPTU, material escolar, IPVA, entre outros", avalia Adelaide Reis, economista da Fecomercio.

O total de famílias com contas em atraso também apresentou redução de seis pontos porcentuais em janeiro (14%) contra dezembro (20%), o que representa redução de 104 mil famílias (de 705 mil famílias em dezembro para 501 mil em janeiro). A queda no total de famílias com contas atrasadas, explica Adelaide, tem relação com os resultados positivos no mercado de trabalho (contratações), o aumento da massa salarial e o crescimento oferta de crédito, além da utilização dos recursos do 13 salário.

"Somam-se a essas condições a elevada confiança do consumidor no desempenho da economia brasileira, a alta intenção de consumo da população e a renegociação e quitação de dívidas atrasadas com taxas de juros mais baixas", acrescenta.

A pesquisa mostra estabilidade, com 6% em janeiro, na proporção de famílias inadimplentes, isto é, as que acreditam não ter condições de pagar total ou parcialmente suas contas nos próximos meses. Esses resultados da PEIC indicam que há cerca de 204 mil famílias inadimplentes no município de São Paulo este mês. Desde novembro, o total de famílias que afirmam não ter condição de pagar total ou parte de suas dívidas encontra-se estável em 6%.

Como vem ocorrendo nos últimos anos, o cartão de crédito lidera em janeiro o tipo de dívida mais popular entre as famílias paulistanas: 65% dos entrevistados diz ter algum tipo de dívida com cartões de crédito. Os carnês foram a forma preferida de 31% das famílias que recorreram ao financiamento em janeiro, enquanto o crédito pessoal concentrou 12% das dívidas.

No que diz respeito ao tempo em que as famílias estão com contas em atraso, a PEIC mostra que 29% das famílias têm contas atrasadas por até 90 dias. Entre as famílias endividadas (1,58 milhão em janeiro), 54% estão com pagamentos em atraso por mais de 90 dias.

No que se refere à parcela da renda familiar comprometida com dívidas, 63% das famílias paulistanas declaram ter entre 11% e 50% da sua renda comprometida com dívidas em janeiro. "Em média, o comprometimento atinge algo em torno de 25% a 30%, valor razoável e que não sinaliza preocupação com refinanciamento", avalia a economista.

(Redação - Agência IN)