Estados ameaçam com 'caos' tributário

JB Online

BRASÍLIA - Os governos de Rondônia, do Paraná e do Pará prometem radicalizar a guerra fiscal entre os estados e interromper, a partir de 1º de fevereiro, a validade nacional de acordos tributários que vigoram há décadas, informa a reportagem de Márcio Aith, publicada nesta quarta-feira pela Folha de S. Paulo.

A decisão dos três estados será comunicada nesta quarta-feira ao Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária), órgão criado em 1975 que, sob a coordenação do Ministério da Fazenda, decide questões relativas ao ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).

Entre os convênios que seriam extintos, estão aqueles que retiram o ICMS na venda de refeição popular, de equipamentos para deficientes físicos, de trilhos e locomotivas, de material de construção, de insumos agrícolas, de remédios e na importação de aeronaves.

- Vamos parar tudo - disse à Folha o secretário de Finanças de Rondônia, José Genaro de Andrade.

- Cansamos de ser ignorados por São Paulo - acrescentou.

A decisão, extrema, decorre do fracasso de um acordo que vinha sendo costurado desde 2009 pelo secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Machado, presidente em exercício do Confaz.