Caderneta tem captação líquida recorde: R$ 9,17 bi

Adriana Diniz, Jornal do Brasil

DA REDAÇÃO - A poupança bateu recorde de captação líquida em dezembro de 2009. Os depósitos superaram os saques em R$ 9,171 bilhões, melhor resultado mensal da série histórica, iniciada em 1995, de acordo com relatório divulgado pelo Banco Central. Foram R$ 112,23 bilhões de depósitos, contra R$ 103,059 bilhões de retirada. Segundo especialistas, o resultado mostra que o trabalhador brasileiro conseguiu guardar algum dinheiro no final do ano, e que a poupança está mais atrativa que outros investimentos conservadores, como os fundos de renda fixa referenciados pela Selic, já que a taxa básica de juros está no patamar mais baixo da história, a 8,75% ao ano.

O resultado reflete o aumento da massa salarial, apontado em outras pesquisas divulgadas recentemente. Emprego e renda tiveram ligeira alta em 2009, fazendo com que o trabalhador pudesse economizar um pouco avalia Andrew Frank Storfer, diretor executivo da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac).

O relatório do Banco Central mostra que 70% dos depósitos em poupança corresponderam a valores entre R$ 0,01 e R$ 500.

Para o economista do Ibmec, Roberto Zentgraf, os dados mostram que a classe mais baixa está conseguindo ingressar no mercado de poupança. Além da melhora na renda e no emprego, a rápida recuperação da economia interna, diante da crise global, também ajudou o trabalhador brasileiro.

Quem trabalha no comércio, por exemplo, esperava vendas fracas ao longo do ano e segurou seus gastos. Mas a economia reagiu melhor que o esperado. Então, em dezembro, mês que ainda temos o reforço do 13º salário, sobrou alguma coisa explica Zentgraf.

Os rendimentos da caderneta somaram R$ 1,516 bilhão no mês passado. A poupança é remunerada pela Taxa Referencial (TR) mais 0,5% ao mês e não há cobrança Imposto de Renda (IR) na fonte.

Com a baixa remuneração, os fundos DI perdem atratividade também pela incidência de IR sobre o rendimento, além da taxa de administração. A pessoa faz a conta e acaba preferindo migrar para a poupança , afirma Zentgraf, acrescentando que novembro é mês de acerto de contas nos fundos de renda fixa, o que pode ter impulsionado ainda mais as transferências.

No ano passado, o governo chegou a anunciar que tributaria o rendimento da caderneta temendo que grandes investidores transferissem recursos dos fundos para a poupança, por conta da queda dos juros. A ideia era cobrar IR dos rendimentos nas aplicações acima de R$ 50 mil.

Para economistas, apesar do desempenho recorde da poupança, não há expectativa de que o governo volte a falar de taxação da poupança. Além da proposta ter sido muito mal recebida pelo mercado, os dados mostram que quem está investindo mais é o baixo investidor , analisa Storfer.

A previsão do aumento da Selic ainda no primeiro semestre de 2010 também pode melhorar a rentabilidade dos fundos e voltar a atrair investidores. A previsão é de que a taxa básica de juros encerre o ano em 10,5%.

De acordo com o relatório, o bom desempenho da poupança não se restringiu a dezembro. Em todo o ano passado, a captação líquida somou R$ 30,412 bilhões, menor apenas do que a de 2007, quando o resultado foi de R$ 33,379 bilhões. Os dados têm como base o Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) que destina recursos ao setor imobiliário e da poupança rural. Em 2009, somente nos meses de janeiro, março e abril a captação da poupança foi negativa.

A poupança tem liquidez imediata, maior garantia e praticidade. Não tem tanta burocracia. A pessoa vai lá e deposita. Portanto, é bem atrativa para quem tem poucos recursos e pouco conhecimento de mercado - afirma Storfer.