Bolsas da Europa ensaiam recuperação, mas ficam sem tendência

SÃO PAULO, 7 de janeiro de 2010 - Após operarem em queda durante a manhã, os principais índices acionários da Europa ensaiaram uma recuperação, mas fecharam o dia sem definir tendência. Os investidores estão cautelosos à espera da divulgação do payroll, que ocorre amanhã nos Estados Unidos. Além disso, os agentes repercutem a perspectiva de medidas mais duras do governo da China para conter o crescimento recorde dos empréstimos bancários.

O FTSE-100, de Londres, caiu 0,06%, aos 5.526 pontos; o DAX, de Frankfurt, recuou 0,25%, aos 6.019 pontos; e o CAC-40, de Paris, ganhou 0,18%, aos 4.024 pontos.

Na Europa, foram divulgados uma série de indicadores. Destaque para o Indicador do Sentimento Econômico (ESI, na sigla em inglês) nos 16 países que compõem da zona do euro, que avançou para 91,3 pontos em dezembro, caracterizando o nível mais alto desde junho de 2008, período pré-crise. Na União Europeia, o mesmo indicador subiu para 92 pontos.

Por sua vez, na Alemanha, as vendas no varejo caíram mais que o esperado, ao recuar 1,1% em termos reais e 1,2% em termos nominais, em novembro do ano passado. No mesmo sentido, as vendas no varejo da zona do euro tiveram queda de 1,2% e na União Europeia recuaram 0,8% em novembro do ano passado.

Já o índice que mede as encomendas às fábricas da Alemanha registrou acréscimo de 0,2% em novembro de 2009, na comparação com outubro.

No Reino Unido, o Comitê de Política Monetária do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) decidiu hoje manter a taxa básica de juros da região em 0,5% ao ano. Em comunicado, o banco ainda reiterou que dará continuidade ao programa de compra de ativos, que deve totalizar 200 bilhões de libras esterlinas.

(Redação - Agência IN)