Investidor repercute indústria e devolve prêmio dos DIs

SÃO PAULO, 6 de janeiro de 2010 - Os investidores repercutiram nesta quarta-feira os dados de produção industrial e devolveram parte dos prêmios acumulados nos contratos de Depósitos Interfinanceiros (DIs). Na BM&FBovespa, o papel com vencimento em janeiro de 2011, o mais líquido, fechou com taxa anual de 10,35%, ante 10,42% do ajuste anterior.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a indústria nacional apontou leve queda de 0,2% em novembro, puxada pela categoria Bens de Consumo (-0,6%). No entanto, houve avanço significativo na produção de Bens Intermediários (2,1%) e na produção de Bens de Capital (6,1%).

"O dado reforça o cenário de recuperação da atividade industrial, que ocorre de forma não acelerada no final de 2009, dando suporte para que os juros sejam elevados à partir da reunião de julho, inicialmente", avalia Inês Filipa, economista da ICAP Brasil.

Os agentes também monitoraram novos dados de inflação. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) medido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe/USP)avançou 0,17% na terceira quadrissemana de dezembro, fechando o mês com alta de 0,18%, em linha com o consenso de mercado.

Para Pedro Raffy Vartanian, professor de economia da Trevisan Escola de Negócios, essa variação tem efeitos positivos sobre a economia. "O comportamento estável dos preços posterga a necessidade de elevações na taxa básica de juros, e caso o aumento seja realmente necessário, este poderá se ater a patamares modestos", avalia.

Segundo ele, embora o IPC-FIPE e o IPCA apresentem números distintos pelas características de cada um dos índices, o aquecimento da economia no mês de dezembro poderia ter provocado um aumento da inflação, o que não aconteceu graças à deflação dos alimentos.

(Simone e Silva Bernardino - Agência IN)