BNDES remeterá R$ 3,2 mi para tratamento de câncer de pele

SÃO PAULO, 6 de janeiro de 2010 - O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou nesta quarta-feira financiamento de R$ 3,2 milhões, destinados ao desenvolvimento de um novo modelo para diagnóstico e tratamento do câncer de pele. Os recursos, não reembolsáveis, são oriundos do fundo tecnológico do Banco, o BNDES Funtec, cujas operações prevêem a participação de três instituições, segundo comunicado da instituição.

A beneficiária será a Fundação para o Incremento da Pesquisa e do Aperfeiçoamento Industrial (FIPAI), entidade vinculada à Universidade de São Paulo. O Instituto de Física de São Carlos (IFSC-USP) figurará como instituição tecnológica e a MM Optics será a empresa interveniente, responsável por aportar a contrapartida aos recursos do Banco, que representam 88% do total.

O projeto em questão será empreendido paralelamente ao "Sistema para Diagnóstico Ótico e Tratamento Fotônico do Câncer de Pele", que a MM Optics desenvolve com recursos da Finep. O objetivo é alcançar um estágio mais avançado dessa tecnologia, a partir da produção de kits com o equipamento e o fármaco já desenvolvidos, da distribuição desse material por centros de saúde de todo o País e da execução de ensaios clínicos.

A conjugação de fluorescência óptica (para diagnóstico) com fármaco e fonte de luz (para tratamento) não envolve internação, sendo realizada em ambulatório. Dessa forma, reduz sensivelmente os custos e melhora a qualidade de vida dos pacientes.

A aplicação da terapia vem sendo estudada também no tratamento de outros tipos de tumores, como de esôfago e boca. Cabe destacar ainda que, uma vez dominada a tecnologia e o mercado, os resultados poderão auxiliar outras áreas da Medicina a diagnosticar doenças como o diabetes ou avaliar órgãos para transplante.

Por seus desafios técnicos, o projeto se enquadra nos objetivos do BNDES Funtec, de estimular a inovação e apoiar áreas de interesse estratégico para o País, em conformidade com os programas e políticas públicas do Governo Federal.

(Redação - Agência IN)