Varejo tem pior resultado dos últimos seis anos

Marta Nogueira, Jornal do Brasil

RIO - Apesar do crescimento progressivo do varejo brasileiro no segundo semestre de 2009, o ano passado terminou com a menor expansão desde 2004, de 5,8%, segundo o indicador Serasa Experian de Atividade do Comércio. O resultado, muito inferior ao registrado em 2008 (13,9%), foi fortemente influenciado pela crise econômica internacional. O primeiro semestre fechou com avanço de apenas 3,7%. A expectativa para 2010 é de um incremento de até 10%.

Dos seis segmentos analisados em 2009, o que inclui móveis, eletroeletrônicos e informática apresentou o melhor desempenho, com crescimento de 12,8%. Segundo o Serasa, os incentivos fiscais do governo, o aumento gradativo da confiança dos consumidores, a retomada do crédito e a desvalorização do dólar (cerca de 25% em 2009) contribuíram para o resultado.

Os consumidores foram ficando mais seguros para comprar, com facilidades na hora de adquirir crédito. Com o real valorizado, os produtos também ficaram mais acessíveis declarou o gerente de indicadores de mercado da Serasa Experian, Luiz Rabi. Os dados mais recentes indicam crescimento de 10% a 11% no início deste ano.

Já o setor de material de construção recuou 13,7%, o que levou o governo a anunciar em setembro do ano passado a prorrogação do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) reduzido até 30 de junho. A medida já surtiu efeito no fim do ano, com incremento de 2,9% nas vendas de dezembro.

Este setor depende muito mais da renda dos consumidores do que de crédito. Além disso, a confiança dos compradores precisa atingir um grau muito elevado para que se interessem em reformar as residências ou até mesmo construir. É comum que o segmento apresente indicadores baixos e variações pequenas concluiu Rubi.