Negócios são marcados por instabilidade

SÃO PAULO, 5 de janeiro de 2010 - Com indicadores mistos, as principais praças acionárias operaram de lado durante o dia e encerraram em direções opostas, com alguns investidores realizando lucros. No final do pregão, um leve otimismo diminuiu as perdas.

Diante deste cenário, as bolsas norte-americanas fecharam próximo a estabilidade. Apesar do volume de encomendas à indústria norte-americana ter registrado crescimento em novembro de 2009, o dado sobre vendas de imóveis pendentes nos Estados Unidos, veio abaixo do esperado, o que pesou em Wall Street. O Dow Jones perdeu 0,11%, para os 10.572 pontos; o Nasdaq avançou 0,01%, para os 2.308 pontos; e o S&P 500 subiu 0,31%, para os 1.136 pontos.

Na Europa, a instabilidade prevaleceu nos índices acionários, com destaque para a indústria farmacêutica. O setor foi penalizado pela notícia de que o ministério da Saúde da França cortou o pedido de vacina contra o vírus H1N1 em 50 milhões de doses. O FTSE-100, de Londres, subiu 0,40%, aos 5.522 pontos; o DAX, de Frankfurt, recuou 0,27%, aos 6.031 pontos; e o CAC-40, de Paris, perdeu 0,03%, aos 4.012 pontos.

Por aqui, influenciado pelo setor externo, o Ibovespa operou sem grandes oscilações durante o pregão, mas no final da sessão o otimismo prevaleceu, fechando com valorização de 0,28%, aos 70.239 pontos. O giro financeiro ficou em R$ 7,11 bilhões.

Na Argentina, o índice Merval fechou em terreno positivo, com expansão de 0,72%, aos 2.401 pontos.

Nas commodities, o barril do petróleo fechou com acréscimo no mercado internacional, repercutindo o rigoroso inverno no norte dos Estados Unidos, o que aumenta a demanda pela matéria-prima. O preço do barril de petróleo do tipo WTI, com vencimento em fevereiro, subiu 0,3%, cotado a US$ 81,76 na Bolsa de Mercadorias de Nova York (NYMEX, sigla em inglês), alcançando a nona alta consecutiva. E o barril do tipo Brent, com vencimento em fevereiro, avançou 0,6%, negociado a US$ 80,58 no ICE Exchange de Londres.

Na renda fixa, os Certificados de Depósito Interfinanceiro (CDI) terminaram em queda, com os investidores assimilando dados de inflação. O DI com vencimento em janeiro de 2011 apontou taxa anual de 10,43%. No câmbio, o dólar fechou em alta, vendido a R$ 1,73.

(Redação - Agência IN)