Projeções dos DIs fecham sinalizando avanço na BM&FBovespa

SÃO PAULO, 23 de dezembro de 2009 - O resultado do Índice de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) levemente acima das expectativas do mercado não causou grandes turbulências na curva de juros futuro, que sinalizou leve alta no fechamento dos negócios. O DI com vencimento em janeiro de 2011 projetou taxa anual de 10,40%, ante 10,36% do ajuste anterior. Janeiro de 2012 apontou juro de 11,80%, ante 11,78% do fechamento de ontem.

Analistas comentam que o resultado do IPCA-15 reforça a aposta do mercado financeiro de que a inflação terminará este ano abaixo do centro da meta, fixada em 4,5% pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). De acordo com o Boletim Focus, divulgado nesta semana pelo Banco Central (BC), os profissionais esperam um aumento de 4,29% da inflação neste ano.

Além do IPCA-15, os agentes receberam o resultado do Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) de 22 de dezembro que registrou variação de 0,21%, mostrando queda de 0,09 ponto percentual da última apuração, segundo informações da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Esta foi a segunda desaceleração seguida no mês.

O Departamento Econômico do Grupo Santander Brasil, que reúne os bancos Santander e Real, prevê um cenário otimista para a economia brasileira em 2010. Segundo o economista Cristiano Souza, há três razões básicas para este cenário: o crédito, o mercado de trabalho e a política monetária.

"As concessões de crédito estão voltando aos patamares pré-crise tanto para pessoas físicas quanto para empresas, a inadimplência está caindo e, portanto, o mercado financeiro se mostra saudável. Com relação ao mercado de trabalho, o nível de ocupação está estável, o desemprego está em baixa e os salários continuam crescendo acima da inflação . Isso não mudará em 2010. Por fim, a perspectiva é que as taxas de juros continuem baixas no primeiro semestre, o que estimulará a economia", afirma Souza.

(Maria de Lourdes Chagas - Agência IN)