Diversificação de carteira é a melhor alternativa

SÃO PAULO, 23 de dezembro de 2009 - Com o cenário de juros em baixa para o próximo ano, os especialistas das áreas de Investimentos do Grupo Santander Brasil reforçam a recomendação da diversificação da carteira para quem tem um horizonte de aplicação acima de 12 meses.

"A decisão de investir depende de vários fatores como o horizonte de tempo e objetivo do investimento, expectativa do retorno, experiência e tolerância ao risco. No entanto, para quem planeja deixar os recursos investidos de um a três anos, recomendamos uma carteira com 70% dos recursos aplicados em renda fixa, 15% em fundos multimercado e 15% em fundos de previdência com renda fixa", afirma Eduardo Jurcevic, superintendente de Investimentos do Banco Real.

"Se o prazo for maior que três anos, nossa recomendação é que se invista 50% em renda fixa, 25% em fundos multimercado, 15% em fundos de previdência com renda variável e 10% em ações", acrescenta. "Já para quem precisa resgatar os recursos investidos no período de um ano e tem baixa tolerância ao risco, recomendamos que ainda aplique em renda fixa, como poupança e CDB".

Entretanto, há recomendações que valem para a maioria das pessoas, de acordo com Sinara Polycarpo, superintendente de Investimentos do Santander: "Como a volatilidade dos mercados deve continuar, mantenha pelo menos metade dos recursos em opções conservadoras e diversifique o restante. Direcione parte da sua reserva para o longo prazo, buscando boas oportunidades como os fundos multimercados e de ações. Procure fazer aplicações programadas, o que contribui para manter a disciplinar nos investimentos e de tempos em tempos faça o balanceamento de carteira, aproveitando oportunidades no mercado ou realizando lucros", explica Sinara.

(MLC - Agência IN)