Política econômica não estará sujeita a interesses eleitorais

SÃO PAULO, 22 de dezembro de 2009 - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou ontem (21) que o principal desafio para a economia brasileira, em 2010, será a manutenção da política econômica em meio às pressões por aumento de gastos típicas de anos eleitorais. Ele negou que pretenda concorrer a algum cargo público no próximo ano e disse que essa postura ajudará a manter a economia a salvo de certas questões políticas.

Sobre uma possível saída do presidente do Banco Central (BC), Henrique Meirelles, para disputar as eleições em Goiás pelo PMDB, Mantega afirmou que qualquer ambição eleitoral de Meirelles não representará riscos para a economia.

Segundo ele, qualquer nome que assumir o comando do BC dará continuidade às medidas tomadas nos últimos anos, porque a política econômica é determinada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O ministro ainda falou sobre as perspectivas para o país depois de 2010. Para ele, os rumos da economia não devem mudar, independentemente do candidato eleito para suceder o presidente Lula, porque não se muda o que está dando certo e a população está comprometida com a atual política de crescimento com responsabilidade fiscal e transferência de renda. As informações são da Agência Brasil.

(Redação - Agência IN)