Bolsas são marcadas pela recuperação mundial

SÃO PAULO, 22 de dezembro de 2009 - Mesmo com alguns números desfavoráveis aos negócios, os investidores dão continuidade ao processo de recuperação.

Nos Estados Unidos, o mercado acompanhou que o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 2,2% no terceiro trimestre de 2009, ante o trimestre anterior. O dado veio abaixo do projetado por analistas.

Enquanto isso, as vendas de imóveis usados avançaram 7,4% em novembro deste ano, em relação a outubro. A taxa anualizada foi de 6,54 milhões de unidades.

E na Europa, o PIB do Reino Unido teve contração de 0,2% no terceiro trimestre deste ano, contra o período anterior. A última leitura apontava para uma queda de 0,3%.

Ainda no cenário internacional, o Dubai Wolrd informou hoje que vai ter um encontro com seus credores para reestruturar suas finanças.

Internamente, as atenções estiveram voltadas para o Relatório Trimestral de Inflação. O Banco Central (BC) revisou sua estimativa de crescimento da economia brasileira, passando de 0,8% para 0,2% em 2009. E para 2010, a autoridade monetária projeta expansão de 5,8%.

Com isso, na renda fixa, os prêmios dos contratos de Depósito Interfinanceiro (DI) operam sem direção definida. Instantes atrás, o DI com vencimento em janeiro de 2011 projetava taxa anual de 10,36% e de janeiro de 2012 registrava juro de 11,82%.

No mercado acionário, o Ibovespa se recupera das perdas de ontem, marcando valorização superior a 1%. No câmbio, o dólar encerrou a primeira etapa dos negócios em alta, vendido a R$ 1,78.

(Redação - Agência IN)