Banco Central vê crescimento de 5,8% do PIB em 2010

Portal Terra

BRASÍLIA - A estimativa para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2010 apontou expansão de 5,8%, "resultado sustentado, exclusivamente, pelo desempenho da demanda interna", segundo o Relatório Trimestral de Inflação divulgado nesta terça-feira pelo Banco Central (BC).

"O crescimento anual do PIB deverá refletir a ocorrência de desempenhos favoráveis em todos os setores da economia", afirmou o documento. A agropecuária deve crescer 3,7% no ano que vem, a indústria deve avançar 7,6% e o setor de serviços deve apontar alta de 5%.

A projeção para a formação bruta de capital fixo é de forte expansão de 15,8% em 2010, "evidenciando a recuperação das expectativas e a realização de obras de infra-estrutura previstas no PAC (Programa de Aceleração do Crescimento)", após retração de 9,9% neste ano.

O consumo das famílias deve crescer 6,1% no ano que vem, "evolução consistente com as perspectivas de continuidade das melhoras no mercado de trabalho e de preservação da trajetória benigna da inflação", acrescentou o BC.

2009

A autoridade monetária reduziu a estimativa de crescimento do PIB em 2009, de 0,8% para 0,2%. A redução "reflete o impacto mais acentuado dos recuos esperados para a agropecuária, de -1,2% para -4,3%, e para a indústria, de -3,3% para -5%". No setor de serviços, a expectativa é de elevação de 0,1 ponto percentual, para 2,8%.

Segundo o relatório, pela ótica da demanda, estão projetadas contribuições anuais nula e de 0,2 ponto percentual, respectivamente, para as demandas interna e externa - esta apresenta o primeiro resultado positivo desde 2005.

A expectativa da demanda interna reflete as estimativas para o consumo das famílias, 3,8%, do consumo do governo, 3,5% e para a Formação Bruta de Capital Fixo, -9,9%. Por sua vez, "a contribuição do setor externo evidencia os recuos projetados para as exportações, 11,1%, e para as importações, 12,8%".

O relatório destaca que essa alteração na projeção para o ano incorpora os resultados do terceiro trimestre divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Apesar da menor projeção para o ano, no último trimestre as perspectivas do BC "são de que ocorra nova aceleração do crescimento, considerada a comparação com o trimestre anterior".