Economia britânica terá recuperação lenta, aponta CBI

SAO PAULO, 21 de dezembro de 2009 - A economia da Grã-Bretanha saiu da recessão no último bimestre de 2009, no entanto, a supressão dos postos de trabalho e o congelamento dos salários farão com que os índices pré-recessão sejam normalizados apenas no fim de 2011. As informações foram divulgadas nesta segunda-feira pela Confederação das Indústrias Britânicas (CBI, na sigla em inglês).

As últimas previsões dos relatórios econômicos indicavam que a recessão terminaria apenas quando os consumidores voltassem a gastar, no entanto essa perspectiva se verificou de forma frágil apenas no último quadrimestre do ano.

Na sequência, o crescimento econômico nos dois primeiros trimestres de 2010 serão de fracos (0,3%), mas isto pode ser fortalecido, segundo o comunicado, assim que a economia global recuperar a aceleração, as empresas melhorarem o valor de suas ações e os domicílios aumentarem seus gastos.

A Confederação ressaltou que apenas no fim de 2011 haverá um crescimento entre 0,5% e 0,7%. O diretor geral da instituição, John Cridland, acredita que "na primavera é quase certo que muita gente vai enfrentar um grande ciclo de congelamento de salários e a perda de empregos continuará aumentando até o outono".

Como resultado, os empresários esperam um crescimento anual de 2,5% para o período de 2011, seguido de minguantes 1,2% em 2010. Mesmo com estas taxas, a economia da Grã-Bretanha não irá alcançar os níveis e índices pré-crise apenas em 2012.

(SV - Agência IN)