Brasil está "quase perfeito" em relação às leis, diz Lula

Luana Lourenço, Agência Brasil

BRASÍLIA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta segunda-feira que o Brasil está se tornando um "país quase perfeito" em relação à elaboração de leis e que as políticas públicas implementadas são resultado da maturidade política que a sociedade está construindo e não "coisas" de sua cabeça ou de ministros.

- Estamos caminhando a passos extraordinários. Estamos quase atingindo a perfeição - disse Lula ao citar instrumentos como o Estatuto da Criança e do Adolescente, o Estatuto do Idoso, a Constituição Federal e até o Protocolo de Kioto (documento da ONU do qual o Brasil é signatário).

Em discurso durante o anúncio do Programa Nacional de Direitos Humanos, o presidente disse que "valeu a pena" a luta dos perseguidos e presos políticos durante a ditadura militar para que o País chegasse hoje aonde está.

- Obviamente nunca vamos conseguir tirar o sofrimento do coração de uma mãe por não ter enterrado um filho, mas temos que ter consciência de que valeu a pena - afirmou.

No mesmo local, Lula participou da entrega do Prêmio Nacional de Direitos Humanos. Uma das vencedoras foi a anistiada política Inês Etienne Romeu, sobrevivente do centro de tortura de Petrópolis durante o período militar.

Ao entregar o prêmio a Inês, a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, que fez hoje sua primeira aparição pública sem peruca após o tratamento de câncer, se emocionou ao lembrar os colegas torturados durante o regime militar.

- Nós sobrevivemos para presenciar e participar da construção de um novo Brasil. Não vou me conformar com o destino de companheiros que perderam a vida e a oportunidade de viver esse momento - disse ela com voz embargada.