Fundos de previdência revelam aumento na rentabilidade

SÃO PAULO, 25 de novembro de 2009 - A LUZ Engenharia Financeira (LUZ-EF) realizou estudo comparativo com 37 entidades de previdência complementar fechada, indicando que essas entidades tiveram um aumento de 11,13% na rentabilidade acumulada de janeiro a agosto de 2009. Dentre as carteiras estudadas, todas ficaram acima do CDI, que ficou em 6,91%. A análise é realizada periodicamente e tem sido apresentada no evento Fórum de Investimentos, realizado pela LUZ-EF pelo menos duas vezes ao ano.

Especializada no desenvolvimento de sistemas de controle e de suporte à decisão e na prestação de serviços e consultoria para o mercado financeiro, o estudo da LUZ-EF constatou que alta da Bolsa de Valores foi o principal responsável pelo desempenho dos fundos. Com a alta do IBrX atingindo patamares de 42%, os gestores que assumiram mais riscos tiveram maior rentabilidade. Empréstimos e imóveis foram as principais alternativas a renda variável, favorecendo o cumprimento da meta atuarial.

Nesse ponto, ao se observar a rentabilidade e a relação com risco, a alocação média das entidades em renda variável (RV) ficou em 14%. "Apesar do risco, a renda variável ajudou a impulsionar o desempenho dos fundos no movimento de alta da Bolsa. Mesmo as entidades que não diversificaram as carteiras de forma eficiente tiveram ganhos", pondera o consultor de Investimentos Sênior da LUZ-EF, Tiago Costa.

Na rentabilidade acumulada de janeiro a agosto, os investimentos em renda fixa (RF) mais conservadores agregaram pouco valor às carteiras. Contudo, as estratégias em títulos públicos pré-fixados e, principalmente, os indexados ao IPCA, tiveram desempenho mais satisfatório, como foi verificado pelos 15% acumulado pelo IMA-B no período. Na análise da rentabilidade da RF, o VaR (Value at Rist) médio ficou em 0,12%, sendo que a rentabilidade de RF da maioria das fundações ficou entre 7 e 11% .

Já na comparação entre RV e rentabilidade acumulada, Costa explica que a escolha dos papéis fez toda a diferença no desempenho das carteiras. Dez fundações superaram os 42% do IBrX, mas somente duas superaram o Ibovespa. A composição dos papéis levou a uma diferença entre a entidade com maior desempenho e a entidade com menor desempenho superior a 20% na rentabilidade apurada em RV.

(MLC - Agência IN)