Hora é de poupar e planejar para 2010, diz consultora

SÃO PAULO, 24 de novembro de 2009 - O fim do segundo semestre do ano é o momento para planejar e definir o que se deseja conquistar tanto a curto, médio e longo prazos. A afirmação é de Suyen Miranda, consultora de Saúde Financeira.

Segundo a consultora, o volume maior de dinheiro devido ao pagamento do 13º salário mais as facilidades do comércio podem estimular gastos desnecessários se não houver um planejamento adequado.

"Há quem acabe se empolgando com o dinheiro a mais, ou mesmo com os bônus de fim de ano e faça ainda mais dívidas, como as compras com cheques pré-datados que começam a ser descontados somente em janeiro de 2010, mês que normalmente acumula tributos a pagar, como o IPVA, material escolar, renovação de matrícula e mesmo o IPTU, entre outras contas", afirma a consultora.

Seria essa a explicação de muita gente pensar em janeiro como o "mês dos bolsos vazios"? Segundo Suyen, certamente que sim. "É natural que após uma fase de grande captação exista uma fase de estagnação, que nesse caso é o pós natal e ano novo; daí a importância em pensar o planejamento financeiro desde já, antes do período de alto consumo para poder garantir reservas financeiras para o ano que se inicia", explica Suyen, que lembra ser o ano de 2010 com Copa do Mundo e Eleições. "Em anos eleitorais muitas decisões podem ser postergadas, o que em algumas áreas de negócio impacta em mais demora para novos contratos e renovação de antigos, dado que interfere nas pequenas e médias empresas", reforça a consultora.

E o que fazer concretamente para garantir um ano de 2010 com mais Saúde Financeira? A receita dada por Suyen inicia com o planejamento, "para definir o que se deseja e motivar as próximas ações. Depois destinar uma verba, por menor que seja, para uma poupança visando os momentos de baixa de mercado, quando há mais despesas e as receitas nem sempre acompanham. Para quem já poupa, verificar opções de investimento com maior rentabilidade, mesmo que isso signifique ficar com o dinheiro bloqueado no investimento por um tempo mais longo; se as contas não fecham, procurar os famosos extras de fim de ano para gerar recursos que auxiliem a quitar as dívidas. O décimo terceiro salário pode ser um grande aliado para quitar a dívida do cartão de crédito ou para finalizar um débito pendente. O importante é ter um foco planejado para um futuro mesmo imediato e agir de forma racional com o dinheiro. É possível presentear com criatividade no Natal, sem grandes despesas para que o ano novo seja realmente novo em satisfação financeira", finaliza Suyen Miranda.

(Redação - Agência IN)