Fitch atribui AA- à proposta de debêntures da Camargo Corrêa

SÃO PAULO, 24 de novembro de 2009 - A Fitch Ratings divulgou há pouco nota corrigindo os prazos de amortização de debêntures da Camargo Corrêa. Diferente do publicado anteriormente, as debêntures de primeira série, serão amortizadas em parcela única, em dezembro de 2012, e as da segunda, em dezembro de 2012, de 2013 e de 2014.

Segue texto corrigido:

A Fitch Ratings atribuiu rating nacional de longo prazo "AA-" à proposta da segunda emissão de debêntures da Camargo Corrêa no valor de R$ 950 milhões. A emissão terá duas séries. As debêntures da primeira série serão amortizadas em parcela única, em dezembro de 2012, e as da segunda, em dezembro de 2012, de 2013 e de 2014. A Camargo Corrêa e a CCSA Finance Limited, veículo com finalidade específica incorporado nas Ilhas Cayman, pertencente à Camargo, possui dívida incondicionalmente garantida por esta, são avaliadas pela Fitch.

Na avaliação da agência, o IDR (Issuer Default Rating - Rating de Probabilidade de Inadimplência do Emissor) da Camargo em Moeda Estrangeira "BB"; IDR em Moeda Local "BB" e Rating Nacional de Longo Prazo "AA-". As Notas seniores sem garantia, no montante de R$ 250 milhões, com vencimento em 2016, da CCSA Finance Limited em "BB". A perspectiva dos ratings corporativos é negativa.

Segundo a Ficth, os ratings de crédito da Camargo refletem sua diversificada carteira de operações, adequada posição de mercado nas indústrias em que participa, robusta liquidez e elevada alavancagem bruta. Os ratings contemplam ainda a alta correlação entre os negócios principais da Camargo em cimento, engenharia e construções, têxteis e calçados e as condições econômicas gerais dos países em que ela opera, especialmente no Brasil e na Argentina. Os ratings da Camargo se apoiam no longo histórico da companhia de bem-sucedidas aquisições, como a Loma Negra, Tavex e Alpargatas Argentina. Também consideram positivamente a capacidade da empresa de assegurar financiamentos de longo prazo para custear a recente aquisição da participação da Votorantim na VBC Energia.

A Perspectiva Negativa reflete a deterioração das medidas de proteção ao crédito, que se enfraqueceram no começo de 2009, desde que a companhia assumiu uma posição financeira mais agressiva para financiar a aquisição da participação da Votorantim na VBC. Os índices de alavancagem estão atualmente fracos para a categoria dos ratings, em bases de dívida líquida. O risco de subordinação estrutural associado à estrutura da empresa holding é mitigado pelo desempenho financeiro da Camargo; por sua adequada liquidez; e pelos importantes fluxos de dividendos das principais empresas operacionais e participações minoritárias.

(Redação - Agência IN)