Dólar sobe em dia de volatilidade

SÃO PAULO, 24 de novembro de 2009 - Em dia de pouco movimento, o dólar fechou em leve alta, em sintonia com a moeda no mercado internacional. A divisa chegou a cair a R$ 1,723 na mínima do dia, mas terminou vendida a R$ 1,735. A inversão ao longo do pregão ocorreu em meio a um movimento mais forte de redução de posições vendidas no mercado futuro.

Além da cautela por novas medidas na área cambial, a volatilidade passou a marcar os negócios após dados conflitantes sobre a economia dos Estados Unidos. O principal destaque do dia, a revisão do Produto Interno Bruto (PIB) norte-americano, cresceu menos do que o esperado no terceiro trimestre. Em bases anuais, a economia estadunidense se expandiu 2,8% entre julho e setembro deste ano, na comparação com o trimestre anterior. A primeira medição apontou expansão de 3,5%.

Neste sentido, os preços de imóveis residenciais caíram 9,4% em setembro de 2009, enquanto a atividade industrial de Richmond marcou 1 ponto neste mês, ante leitura de 7 pontos em outubro. Ambos vieram abaixo do esperado. Na contramão, a confiança do consumidor avançou 49,5 pontos neste mês, ante 48,7 pontos no mês anterior, segundo o Conference Board.

Além de indicadores fracos, os traders mundiais voltaram a reduzir parte da exposição ao risco, em decorrência da proximidade do feriado de Ação de Graças nos EUA. Por aqui, desfizeram posições vendidas em dólar. Segundo o economista-chefe da NGO, Sidnei Moura Nehme, os bancos já reduziram as posições vendidas no mercado futuro de US$ 5,2 bilhões para US$ 3,8 bilhões desde a semana passada. "E ao que tudo indica, este movimento deve continuar sustentando as cotações do dólar no mercado à vista", aposta.

A sabatina de Aldo Mendes na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) no Senado também mexeu com o humor. Indicado ao cargo de Mário Torós, na diretora de política monetário do Banco Central (BC), Aldo precisa ser aprovado pelo CAE e plenário para assumir a cadeira.

(Simone e Silva Bernardino - Agência IN)