Dólar ignora mercado externo e cai

SÃO PAULO, 5 de novembro de 2009 - A manutenção do juro básico nos Estados Unidos entre a banda de 0% e 0,25% e principalmente, as perspectivas de que a taxa só voltará a subir no último trimestre de 2010 reforçam a tendência de valorização do câmbio doméstico. Instantes atrás, o dólar comercial cedia 0,35%, para R$ 1,725 na compra e R$ 1,727 na venda.

Mundo afora, a conclusão da reunião do Comitê Federal para o Mercado Aberto (Fomc) ontem a tarde não trouxe novidades, com excessão da constatação de melhora na atividade imobiliária. Para um futuro próximo, os membros do Federal Reserve continuam esperando por níveis fracos de crescimento econômico, o que reforça as expectativas de que só haverá mudança na política monetária no fim de 2010.

Internamente, os investidores continuam a operar com cautela, à espera de mais mudanças nas regras cambiais, após o governo taxar a entrada de capital externo via IOF. "Há rumores de que o governo estuda formas para que os investidores estrangeiros não precisem trocar dólares por reais ao investir no mercado doméstico", comenta um operador.

Nos demais mercados, o clima de incertezas pesam sobre os negócios. As bolsas européias, assim como os índices futuros de Wall Street operam em leve baixa, maré que se estende às commodities, onde o petróleo mostra preços em declínio. Os agentes financeiros trabalham à espera da decisão de política monetária na zona do euro. Há consenso, de que - assim como foi divulgado há pouco pelo Banco Central da Inglaterra (BOE), a manutenção dos juros básicos em 0,5% - o Bancos Central Europeu (BCE) deve manter a taxa estável em 1%.

(Simone e Silva Bernardino - Agência IN)