Dólar segue cenário externo e recua

SÃO PAULO, 23 de outubro de 2009 - Com a melhora de cenário externo a moeda norte-americana volta a cair nesta sexta-feira. Há pouco, a divisa era comprada a R$ 1,711 e vendida a R$ 1,713 com desvalorização de 0,70%.

A diretora de câmbio da AGK Corretora, Miriam Tavares avalia que como já era amplamente previsto, mesmo com o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) de 2% sobre o capital externo aplicado em renda fixa e variável, se o cenário externo continuar favorável, com perspectivas melhores de recuperação e de continuidade das políticas monetárias atuais (juros próximos a zero e injeções de recursos governamentais), o fluxo de recursos para o país deve prosseguir e a bolsa e a moeda brasileira devem manter a tendência de valorização.

A executiva explica ainda que em uma conjuntura como essa, as captações externas, as arbitragens para aplicações em renda fixa e variável e os investimentos diretos para o setor produtivo do País devem seguir fortes, já que o Brasil, com fundamentos econômicos sólidos, oferece um alto retorno a um risco relativamente baixo.

Dessa forma, Miriam acredita que se ao longo do dia a agenda norte-americana estimular as disposições globais para as posições mais ousadas, o dólar pode voltar para a faixa de R$ 1,71 a R$ 1,73. Já se não houver nenhuma melhora, mas também a aversão global ao risco não se intensificar, o dólar deve oscilar no intervalo de R$ 1,73 a R$ 1,75.

Os balanços corporativos, de um modo geral, também apontam melhoria e estão garantindo mais uma semana relativamente positiva para os mercados financeiros externos e locais. A fabricante de equipamentos domésticos Whirlpool anunciou hoje lucro líquido de US$ 93 milhões (US$ 1,15 por ação) no terceiro trimestre deste ano, representando uma queda de 44% quando comparado com os mesmos meses de 2008, que registrara US$ 168 milhões.

(Maria de Lourdes Chagas - Agência IN)